PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Automedicação: Os riscos dessa prática
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Automedicação: Os riscos dessa prática

Automedicação: Os riscos dessa prática

04/04/2011
  429   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Ir a farmácia comprar um medicamento para curar uma dor de cabeça indesejada ou consultar-se com um parente para ficar livre de um resfriado são práticas muito comuns de automedicação. O que muitos não sabem, é que a automedicação pode ser uma conduta grave e pode levar à morte em certos casos. Analgésicos e antiinflamatórios lideram os casos de reações alérgicas, com 44%, em seguida os antibióticos com 23%, segundo estatísticas.

Usar um medicamento de forma inadequada não só pode causar uma reação alérgica, como também pode interagir com outro e gerar diversos efeitos. “Uma droga potencializa, anula ou altera a absorção de um segundo medicamento”, explica a alergista Fátima Rodrigues Fernandes, gerente médica do Hospital Infantil Sabará.

As reações alérgicas são imprevisíveis e podem manifestar-se através de urticária, inchaços e coceira, que podem evoluir com repercussões sistêmicas como queda da pressão arterial, o que caracteriza o choque anafilático.

A automedicação pode gerar resistência aos medicamentos. E quando for necessário administrá-los, não surtirá o efeito desejado. “Um exemplo ocorreu com a gripe tipo A, diversas pessoas tomaram antibióticos indicados para a infecção, não sabendo que se tratava de um caso de gripe de causa viral “, lembra a especialista.

Por esses motivos, a forma correta de se tratar qualquer sintoma de dor ou mal estar é procurar um especialista, seguir suas recomendações e evitar a automedicação, mesmo que os medicamentos já tenham sido indicados por um médico; uma vez que as causas podem ser outras .

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • mamãe : Nágila disse:

    grace, minha filha tem sinusite, e refluxo no momento.
    gostaria de dicas para trata- la para não estar voltando estas enfermidades tão rapidas

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Nágila,
      Precisáríamos de mais detalhes para poder orientar você melhor. Mas geralmente refluxo gastro esofágico acontece em crianças pequenas e sinusites só após os 2 anos. Portanto parece haver algo errado com estes diagnósticos. Para prevenção de refluxo, você poderia deixar a Grace mais elevada após as mamadas e dar uma dieta com leite anti refluxo (se ela não mamar no peito) e com volumes menores e mais vezes. Já para a sinusite, seria bom ensiná-la a assoar o nariz e estar sempre aspirando as secreções ou lavando as narinas com solução fisiológica a 0,9%.
      Esperamos que estas dicas possam ser úteis.
      Obrigado.
      Equipe Hospital Infantil Sabará

  • maria de jesus disse:

    ola tenho dois filhos o pai deles tem problema cárdico os filhos tem chance ter o mesmo problema do pai ?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Maria!
      Este tipo de pergunta só pode ser respondido após a criança ser avaliada por um médico. Recomendamos que procure o pediatra que acompanha seus filhos e que relate a sua dúvida a ele. Com o histórico médico em mãos, ele poderá te ajudar.
      Um grande abraço!

  • Deises murbach disse:

    Olá, meu filho tem 07 anos e começou a se queixar de dores na virilha ate o joelho e esta mancando oque pode ser .

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade