PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Boas notícias sobre medicação psicoativa
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Boas notícias sobre medicação psicoativa

Boas notícias sobre medicação psicoativa

11/12/2013
  623   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As drogas psicotrópicas também são usadas para tratar o TDAH e outros transtornos do humor

medicação psicoativa

Nos últimos dez anos, acompanho uma verdadeira batalha científica sobre o uso de medicamento psicoativo em crianças e adolescentes. Com o consumo dele em alta, bem como de novas drogas que são lançadas com frequência, ainda há discussões acaloradas sobre a quantidade e a forma de uso dessas medicações.

As drogas psicotrópicas são comumentes prescritas para o tratamento de depressão, ansiedade, entre outros problemas de saúde mental em adultos. Porém, as crianças também usam essas drogas para tratar o TDAH e outros transtornos do humor.

Foi apresentado na revista Pediatrics de outubro, dados de uma amostra nacional de mais de 43 mil crianças com idades entre 2 a 5 anos, que descobriu que o uso de drogas psicotrópicas atingiu o pico entre os anos de 2002 a 2005 e depois estabilizou de 2006 a 2009.

O aumento do uso foi encontrado em meninos, crianças brancas e entre aqueles que não possuem seguros privados de saúde. A probabilidade de receber um diagnóstico comportamental aumentou ao longo do período de estudo, mas isso não foi acompanhado por um aumento das taxas de prescrições psicotrópicas. Entre aquelas que tiveram um diagnóstico comportamental, o uso desses remédios diminuiu de 43%, de 1994 a 1997, para 29%, de 2006 a 2009. Essa diminuição pode ser o resultado de várias advertências da FDA, lançadas em meados da década de 2000, incluindo um aviso em 2004 do risco de suicídio entre crianças e adolescentes e, posteriormente, outro relacionado com a possibilidade de eventos cardiovasculares adversos e sintomas psiquiátricos.

Os autores do estudo concluem que novas pesquisas são necessárias para determinar a segurança do uso contínuo de medicamentos psicotrópicos e os efeitos a longo prazo que eles podem ter sobre os cérebros de crianças muito jovens e em desenvolvimento.

Continuo com minha opinião de muitos anos, ou seja, existem crianças que claramente não necessitam de medicamentos e outras que se beneficiariam. Porém, a grande maioria, terá que ser analisada individualmente e acompanhada de maneira a ter toda a segurança, independente da opção (tratar ou não tratar), sendo benéfica para aquela criança específica. Mesmo com estes números, a gritaria dos prós e dos contras continuará.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: National Trends in Psychotropic Medication Use in Young Children: 1994-2009 | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade