PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como deixar nossos filhos mais inteligentes?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como deixar nossos filhos mais inteligentes?

Como deixar nossos filhos mais inteligentes?

21/08/2012
  889   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O Quociente de Inteligência está ligado aos genes e ao ambiente onde vivemos

Quociente de Inteligência-QI

Pais geralmente estão muito preocupados em relação à inteligência de seus filhos e como podem fazer para deixá-los mais inteligentes. Isto é realmente possível?

Se uma pessoa com um QI alto se casa com alguém com um QI mais baixo, seus filhos poderiam ter um QI qualquer. O mesmo é verdadeiro para dois progenitores de QI elevados (embora os filhos deles tenham a tendência de terem QI alto) e para pais de QI baixo.

Este número possível de QI é tão grande e imprevisível, porque existem tantos genes diferentes envolvidos nesta questão e porque o ambiente desempenha um papel importante também.

Repare que eu tenho sido muito cuidadoso ao dizer QI, em vez de inteligência. Um dos grandes debates em tudo isso é sobre o que é inteligência e como podemos medi-la. QI ou Quociente de Inteligência é uma medida que muitas pessoas usam. Não é perfeito, mas é a melhor medida que temos para agora.

Como eu disse, o QI com quase toda a certeza vem de uma combinação de genes e do ambiente. Ambos podem explicar por que o QI de uma criança pode ser tão diferente de seus pais.

O ambiente faz sentido. Se a mãe não comer direito ou se ela beber muito álcool enquanto estiver grávida, o cérebro do bebê não vai desenvolver o seu potencial. Crianças que crescem em um ambiente mais estimulante terão QIs mais altos. E assim por diante.

Mas a genética pode explicar a grande variedade de possíveis QI também porque muitos genes diferentes estão envolvidos no desenvolvimento e execução de um cérebro. É possível, por exemplo, herdar todos os genes mais elevados de QI a partir de cada um dos pais e deixar os genes de QI inferiores para trás.

O que os cientistas normalmente fazem é estudar gêmeos idênticos que têm exatamente o mesmo DNA. Nos resultados mostrados abaixo, quanto mais próximos o número é de 1,0, mais semelhante são os QI. Aqui está uma amostra dos dados:

1. Mesma pessoa (testada duas vezes) = 0,95;
2. Gêmeos idênticos criados juntos = 0,86;
3. Gêmeos fraternos (DNA diferentes, semelhantes a irmãos que nasceram ao mesmo tempo), criados juntos = 0,55.

Se os gêmeos em um par idêntico tiverem a tendência de ter mais QI do que gêmeos de um par fraterno (que não são muito semelhantes entre si), então os genes provavelmente desempenham um papel no QI. E isso é apenas o que vemos. Os gêmeos idênticos são definitivamente mais propensos a compartilhar o mesmo QI do que os gêmeos fraternos. Então, os genes que desempenham um papel no QI.

Quando os gêmeos idênticos são criados separados, eles têm os mesmos genes, mas diferentes ambientes (após o nascimento, de qualquer maneira). Como você pode ver por estes resultados:

1. Mesma pessoa (testada duas vezes) = 0,95;
2. Gêmeos idênticos criados juntos = 0,86;
3. Gêmeos idênticos criados separadamente = 0,76;
4. Gêmeos fraternos criados juntos = 0,55;
5. Gêmeos fraternos criados separados = 0,35.

Em ambos os casos, os gêmeos são menos suscetíveis de ter o mesmo QI, se eles forem criados em famílias distintas. A explicação mais fácil é que os genes não são tudo e o ambiente também é importante. Os gêmeos são os mais fáceis de entender, mas os resultados com outros membros da família também. Em particular, eles ajudam a comparar crianças relacionadas e não relacionadas na mesma casa:

1. Irmãos biológicos juntos = 0,47;
2. Filhos independentes criados juntos = 0,30;
3. Como você pode ver, o ambiente não é a resposta completa. Os genes são importantes em como os irmãos são mais propensos a compartilhar o mesmo QI em relação aos filhos alheios sendo criados juntos. E há mais exemplos como este. Aqui está o conjunto completo:

a. Mesma pessoa (testada duas vezes) = 0,95;
b. Gêmeos idênticos criados juntos = 0,86;
c. Gêmeos fraternos criados juntos = 0,55;
d. Irmãos biológicos criados juntos = 0,47;
e. Filhos independentes criados juntos = 0,30;
f. Pai e filho vivendo juntos = 0,42;
g. Pai adotivo da criança convivendo com ela = 0,19;
h. Gêmeos idênticos criados separadamente = 0,76;
i. Gêmeos fraternos criados separados = 0,35;
j. Irmãos biológicos criados separados = 0,24;
k. Pai e criança que vivem separados = 0,22.

Ao fazer muitos estudos como estes, os cientistas chegaram à conclusão de que cerca de metade do seu QI vem de seus genes e metade vem do ambiente. Que explica porque o QI é tão difícil de prever. Para complicar as coisas ainda mais, o QI não é nem mesmo um traço estável. Ele pode mudar durante a sua vida. Um estudo mostra que o QI pode mudar 24% em toda a nossa vida.

Como você pode ver, o QI é um tema muito complicado. Parece funcionar nas famílias, mas é mais do que genes. O nosso ambiente desempenha um papel chave também.

Por Dr. José Luiz Setúbal, traduzido e adaptado de texto do professor Arjun Adhikari Stanford University

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade