PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como lidar com a saúde sexual e reprodutiva com adolescentes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como lidar com a saúde sexual e reprodutiva com adolescentes

Como lidar com a saúde sexual e reprodutiva com adolescentes

01/11/2017
  1454   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Pais de jovens adolescentes ficam muito preocupados, após o início da puberdade, com a sexualidade de seus filhos. Como pediatra, gostava de hebiatria e sempre atendi adolescentes. Hoje, como prático muito pouco a pediatria no consultório, sou muito questionado sobre esses assuntos de maneira informal, e pergunto sempre se não conversam sobre isso com seus pediatras. Para minha surpresa, poucos profissionais e poucos pais se sentem à vontade de tocar nesses assuntos.

A Academia Americana de Pediatria (AAP) está publicando “Serviços de Saúde Sexual e Reprodutiva em um ambiente pediátrico” para orientar os pediatras no fornecimento de serviços de saúde e educação adequados para adolescentes e adultos jovens para prevenir infecções sexualmente transmissíveis e gravidezes não intencionais.

O relatório foi publicado na Pediatrics de novembro, e orienta que os pediatras podem iniciar conversas sobre saúde sexual e reprodutiva durante uma visita única no consultório ou durante várias visitas. O relatório clínico recomenda estratégias para tornar a configuração do escritório mais amigável para os adolescentes, bem como orientações sobre como e quando introduzir a confidencialidade.

O relatório também detalha as recomendações sobre imunização como HPV, contracepção e aconselhamento para minimizar os riscos de infecções sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada e encoraja o envolvimento dos pais nessas discussões.

A AAP recomenda a triagem anual de clamídia e gonorreia de todos os adolescentes sexualmente ativos, com base em fatores de risco específicos. A AAP recomenda que os pediatras aconselhem e assegurem o acesso a uma ampla gama de serviços de contracepção, incluindo os métodos de contracepção reversível mais eficazes a longo prazo, ou seja, o implante de progestágeno e os dispositivos intrauterinos.

Resta saber se os pais aqui no Brasil também estão preparados para discutir doenças sexualmente transmissíveis de suas filhas, projetos de contracepção ou orientação sexual dos adolescentes?

Na minha opinião, o importante é que os pediatras e profissionais se preparem adequadamente, sem pré-conceitos e ideias próprias e saibam dar informações cientificamente adequadas, sem julgamento de raça, gênero, credo ou outros vieses, e o mesmo vale para os pais em termos do que podem ouvir. Não necessariamente a ciência acompanha os valores da sociedade.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics October 2017

Sexual and Reproductive Health Care Services in the Pediatric Setting

Arik V. Marcell, Gale R. Burstein, COMMITTEE ON ADOLESCENCE

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade