PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cortes: quando recorrer ao médico?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cortes: quando recorrer ao médico?

Cortes: quando recorrer ao médico?

31/07/2013
  317   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Leia as dicas e saiba quando as feridas das crianças podem ser tratadas em casa

Cortes: quando recorrer ao médico?

Muitas vezes, na minha vida de pediatra, recebi telefonemas onde um pai ou uma mãe aflita perguntava:

– Meu filho cortou a mão, mas eu não sei se ele precisa de pontos. O que devo fazer?

Em caso de cortes, a primeira coisa a se fazer é lavar a região com sabão e deixá-la imersa por alguns minutos embaixo de água corrente. Em seguida, deve-se tentar estancar o sangue e fazer uma compressão do local.

Porém, existem situações das quais os cortes necessitam de avaliação de médico assistente o mais rápido possível: 

• Um corte que não vai ficar fechado por si só (um corte longo – maior que 3 cm – ou profundo);

• Um corte que precisa de 5 minutos de pressão direta e constante para o sangramento ser interrompido.

Alguns cortes podem precisar de pontos verdadeiros (com fio de sutura) ou falsos (com fita adesiva para esta finalidade), ou algum outro método para ajudar na cura.

Esses pontos precisam ser aplicados o mais rapidamente possível, geralmente, dentro de 6 horas após a lesão. A limpeza rápida e adequada, seguida por cobertura do corte aberto, reduz o risco de infecção. Isso também ajuda a cicatrizá-lo mais rapidamente e reduz a possibilidade de formação de outras marcas na pele.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade