PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cuidados com a radiação ultravioleta
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cuidados com a radiação ultravioleta

Cuidados com a radiação ultravioleta

13/01/2014
  961   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em época de verão incessante, é importante que adultos e crianças saibam como proteger a saúde da pele

 Cuidados com a radiação ultravioleta

O início do verão é motivo de alegria para todos. Com os dias mais longos, boa parte dos brasileiros vai às praias, as piscinas ficam abarrotadas e o sol inclemente. A má notícia que todos devem ter visto na semana passada é o grau de radiação ultravioleta que atingiu níveis muito altos.

“O índice de radiação UV (ultravioleta) atinge nível extremo (o maior de todos) em diversas localidades do país, a partir desta quinta-feira (9) até terça-feira (14), de acordo com previsão do Cptec/Inpe (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do  Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais)”.

O Índice Ultravioleta (IUV) é uma medida da intensidade da radiação, relevante aos efeitos sobre a pele humana e incidente sobre a superfície da Terra. O ozônio é o principal responsável pela absorção de radiação UV. Em um país tropical, a exposição ao sol deve ser cuidadosa, não só pelos perigos de queimaduras e prevenção contra o câncer de pele, mas pelo perigo de insolação.

A insolação é provocada pela exposição intensa e prolongada ao sol e pode provocar dor de cabeça, náuseas, tontura, hipertermia, falta de ar, chegando à perda de consciência. Você não precisa estar diretamente exposto ao sol, pois é possível ter insolação mesmo em lugares protegidos, tudo porque eles recebem muita reflexão e irradiação de calor. A presença de nuvens e partículas em suspensão na atmosfera atenua a quantidade de radiação UV em superfície. Porém, parte dela não é absorvida ou refletida por esses elementos e atinge a superfície terrestre. Deste modo, dias nublados também podem oferecer perigo, principalmente para as pessoas de pele sensível.

A areia pode refletir até 30% da radiação ultravioleta que incide numa superfície, enquanto na neve fresca essa reflexão pode chegar a mais de 80%. Superfícies urbanas apresentam reflexão média entre 3 a 5%.

As crianças pelo seu tamanho e peso são mais suscetíveis a este problema. Por isso, fique atento e ofereça periodicamente líquidos, use protetor solar, as coloque em lugares arejados e sombreados de tempo em tempo, evitando uma exposição muito prolongada.

Se a família estiver ou não de férias, todos devem evitar tomar sol entre 10h e 16h (11h e 17h, no horário de verão) e também não devem fazer exercícios físicos nesses horários de maior irradiação ultravioleta. Cerca de 20 a 30% da quantidade de energia UV no verão chega em torno do meio-dia (entre 11h e 13h), e cerca de 70 a 80% entre as 9h e 15h.

Em casos graves de queimadura e de aumento da temperatura corporal, é necessário procurar o atendimento médico.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Notícias UOL

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade