PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Especial Cuidados de Verão: fique atento à exposição ao sol
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Especial Cuidados de Verão: fique atento à exposição ao sol

Especial Cuidados de Verão: fique atento à exposição ao sol

23/11/2011
  2690   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças adoram ir à praia e se divertirem na areia e na água, não é mesmo? Por isso, os pais devem ficar atentos à exposição ao sol e à proteção da pele dos filhos. O uso do protetor solar adequado e bloqueadores físicos como boné e guarda-sol são essenciais.

Leia também: Especial Cuidados de Verão: sol, mar e proteção

Leia também: Especial Cuidados de Verão: tome conta da saúde das crianças

Confira as principais recomendações para proteção da pele dos filhos:

Quais os perigos de uma exposição precoce ao sol?

A exposição solar inadequada, sem proteção eficiente, pode predispor ao câncer de pele. Além disso, pode ocasionar altos graus de desidratação, um perigo para as crianças pequenas que ainda não pedem líquidos.

o protetor solar adianta? Qual fator? Quanto tempo antes da exposição ao sol ele deve ser aplicado?

O fator depende da coloração da pele, mas em geral, recomenda-se a partir do 30. O ideal é aplicá-lo 20 a 30 minutos antes da exposição para que possa ser absorvido. Dependendo da situação, o produto deve ser repassado a cada quatro ou oito horas, principalmente se a criança entra na água.

Qual a importância de se usar um protetor solar específico para crianças?

Como disse antes, a pele do bebê tem maior poder de absorção, por isso deve-se usar protetores específicos, testados dermatologicamente, hipoalergênicos, para evitar irritação, alergias e até intoxicações. Optar sempre por aqueles com proteção UVA e UVB, sem corantes ou fragrâncias fortes.

Que quantidade deve ser aplicada?

A quantidade certa é aquela que cobre toda aquela região da pele.

Ficar embaixo do guarda-sol sem protetor solar resolve?

Não, pois a areia é um excelente refletor da luz solar. Por isso, o protetor e os bloqueadores físicos, como guarda-sol, boné e camisetas, e horários alternativos são importantes no caso dos pequenos.

Quais os tipos de queimadura solar? E o perigo de cada uma?

Classificam-se em 1º grau (pela cor avermelhada da pele); 2º grau (se houver bolhas); 3º grau (uma queimadura profunda que ultrapassa a epiderme e que pode não causa dor, porque as terminações nervosas foram destruídas).

Queimaduras de sol podem ser mais graves do que parecem quando se trata de bebês, por isso telefone para o médico ou marque uma consulta se estiver preocupada. Se houver bolhas, é importante procurar atendimento nas primeiras 24 horas após o ocorrido, pois pode ser um caso mais grave de segundo grau.

O que fazer após a queimadura?

Se houver queimaduras leves, opte por banhos mornos a frios para aliviar o incômodo. Cuidado com os cremes: mais uma vez, destaco que a pele do bebê tem alto poder de absorção, na dúvida converse com o pediatra. Deve-se hidratar bem a criança, pois a lesão provoca a perda de líquidos do organismo.

O que fazer quando a criança começa a descascar?

É normal, pode acontecer entre três e dez dias depois da queimadura. No período, evitar o sol, pois a pele fica mais sensível. Não se deve puxar a pele, pois podem ocorrer lesões e infecções secundárias.

O que leva a uma insolação? Quais os sintomas? Como tratar?

Horas prolongadas ao sol e falta de ingestão de líquidos (desidratação) causam insolação e as principais vítimas são as crianças. Durante a transpiração, perde-se muita água e as concentrações de determinadas substâncias aumentam, como sais e outros fluídos. Os sintomas da insolação são: febre, cansaço, falta de ar, vômito, diarreia, diminuição da urina. Se a criança apresentar esses sintomas, já comece a hidratação em casa, antes mesmo de chegar ao pediatra. A velha receita do soro caseiro – 1 copo de água para 1 colher (sopa) de açúcar e 1 colher (sobremesa) de sal – é fácil de se fazer em qualquer lugar.

Saiba mais sobre vômitos, desidratação e diarreia

Atualizado em 9 de fevereiro de 2024

Dra. Fátima Fernandes

Dra. Fátima Fernandes

Diretora Executiva do Instituto PENSI. Graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com Residência Médica em Pediatria pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. É mestre em Alergia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo e possui MBA em Gestão em Saúde pelo IBMEC.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.