PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Fazendo do limão uma limonada
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Fazendo do limão uma limonada

Fazendo do limão uma limonada

10/09/2013
  541   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quando a internação hospitalar propicia momentos de convívio familiar mais próximos

Internação Infantil

Uma doença ou uma enfermidade é sempre um fato doloroso. Quando necessita-se de uma internação, pior ainda. Em se tratando de crianças e de adolescentes, há ainda o envolvimento maior da família e uma mudança na rotina, pois o (a) paciente não pode ficar sozinho (a), necessitando de um acompanhante durante todos os momentos.

E agora?

Muita coisa muda, pois a disponibilidade tem que ser total. E há a mudança de lar, mesmo que temporária. Muitos são os dias passados no hospital e muitas são as noites dormidas nele, um lugar que acaba por se tornar uma segunda casa.

Não é fácil deixar a vida em suspenso. Bem como o trabalho, a rotina, as obrigações, a casa. Passar uma temporada internada (o) junto ao filho pode ser complicado, realmente. Em muitos casos pode, inclusive, ser um desafio e uma nova descoberta. O período de internação é de grande preocupação e cuidado, mas, ao mesmo tempo, de um convívio intenso, impossível no dia a dia normal, tão cheio de tarefas e de compromissos.

É comum na rotina diária não haver tempo para interação entre os pais e os filhos, pois ela é tão preenchida por afazeres que não restam momentos para haver uma maior convivência, conversas e até mesmo carinhos. Os dias e as noites passados no hospital podem então se transformar em uma grande oportunidade para desfrutar a companhia do filho (a) intensamente, sem a interferência de outros (salvo, claro, os momentos normais dos cuidados hospitalares). É um momento muito próximo.

Inicialmente pode haver estranhamento, frustração, tédio, sensação de clausura. Claro que tudo vai depender da estadia hospitalar. Quanto mais longa, maiores esses sentimentos, mas maiores são as trocas. Mesmo em períodos pequenos (que é o esperado), isso também pode acontecer. Afinal, qual foi a última vez que você conseguiu passar 24 horas direto com seu filho (a), sem interferências externas?

Então, por pior que seja uma internação, ela pode se transformar em momentos de convívio intensivo muito gostoso e importante para os pais e os filhos. Que tal aproveitar dessa forma? Afinal, olhando sempre pelo lado positivo, pelo melhor ângulo, tudo fica mais fácil. E, em se tratando de algo imposto, sem planejamento (ninguém escolhe ficar doente), o melhor é tirar o maior proveito. Jogos, conversas, brincadeiras (dentro do possível, claro), cuidados, até mesmo assistir um programa na televisão, podem ser momentos muito benéficos que a internação acaba por proporcionar.

Há essa possibilidade em oposição ao tédio, ao assistir televisão sem parar no quarto do hospital, às reclamações, às frustrações e às irritações, que não permitem dar oportunidade para esse convívio mais próximo. Certamente tentar usufruir de forma construtiva e proveitosa, seja qual for o motivo da internação, será extremamente vantajoso e, muitas vezes, uma experiência nova.

É como dizem: pode-se fazer do limão uma limonada.

assinatura_leticia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade