PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Introdução precoce de alimentos à base de amendoim para prevenir alergias
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Introdução precoce de alimentos à base de amendoim para prevenir alergias

Introdução precoce de alimentos à base de amendoim para prevenir alergias

02/07/2019
  192   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A Academia Americana de Pediatria (AAP), examinando as pesquisas mais recentes sobre como prevenir alergias em crianças, confirma que um crescente corpo de evidências apoia a introdução precoce de alimentos à base de amendoim para bebês para prevenir alergias ao amendoim. A AAP, que endossou uma política de introdução precoce de amendoim em bebês de alto risco em 2015, reforça a recomendação com pesquisas citadas em um relatório clínico publicado na edição de abril da revista Pediatrics. O relatório clínico atualiza e substitui a orientação de 2008 sobre os papéis da dieta materna e infantil precoce na prevenção de doenças atópicas – ou respostas alérgicas – como dermatite, asma e alergias alimentares.

O relatório intitula-se “Os Efeitos das Intervenções Nutricionais Precoce no Desenvolvimento da Doença Atópica em Bebês e Crianças: O Papel da Restrição na Dieta Materna, Amamentação, Fórmulas Hidrolisadas e Momento da Introdução de Alimentos Alergênicos Complementares”.

“Sabemos que algumas crianças estão predispostas a alergias por causa de sua história familiar”, disse Frank Greer, coautor do relatório clínico. Está claro que às vezes a nutrição pode desempenhar um papel fundamental na prevenção ou minimização de alergias que podem ser preocupantes – ou mesmo mortais – para algumas crianças.

Oito grupos de alimentos respondem por cerca de 90% de todas as alergias alimentares e devem ser declarados nos rótulos dos produtos dos EUA. Estes incluem leite de vaca, ovos, peixe, crustáceos, nozes, amendoim, trigo e soja. Mais de 170 alimentos adicionais são relatados como causadores de reações alérgicas, e alguns, incluindo o gergelim, estão incluídos nas leis de rotulagem em outros países.

A AAP discute as evidências sobre se a dieta materna, amamentação, fórmulas hidrolisadas e o momento da introdução de alimentos complementares alergênicos previnem alergias infantis. Não há razão para adiar o fornecimento de alimentos para bebês que são considerados como alérgenos, como produtos de amendoim, ovos ou peixe. Esses alimentos podem ser adicionados à dieta cedo, assim como os alimentos que não são alérgenos comuns, como arroz, frutas ou legumes.

AAP também recomenda:

  1. A amamentação exclusiva nos primeiros três a quatro meses ajuda a proteger contra o eczema durante os dois primeiros anos de vida da criança. Qualquer quantidade de amamentação (mesmo que não seja exclusiva) além de três a quatro meses também protege contra sibilos nos primeiros dois anos e oferece benefícios ainda maiores na redução da asma;
  2. Evidências não suportam restringir a dieta de uma mãe durante a gravidez ou a amamentação como métodos para prevenir alergias;
  3. Fórmula hidrolisada não previne alergias em bebês e crianças, mesmo naqueles com alto risco de doença alérgica, de acordo com pesquisa. Esse achado marca uma mudança em relação ao relatório clínico de 2008, que concluiu que havia evidências modestas que apoiavam o uso de fórmula hidrolisada para prevenir a dermatite em bebês de alto risco.

 

Recomendações sobre a prevenção da alergia ao amendoim baseiam-se principalmente no estudo Learning Early About Peanut Allergy (LEAP). Amendoim moído e outras formulações especializadas são recomendados, pois amendoins inteiros são um risco de asfixia para crianças menores de quatro anos.

Um painel de especialistas reunido pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) desenvolveu diretrizes para a introdução precoce do amendoim endossada pela AAP. Isso inclui a inclusão de formas seguras de amendoim à dieta para a maioria dos bebês, por volta dos 6 meses, depois que outros alimentos sólidos são tolerados.

 

Para lactentes de alto risco que apresentam eczema severo que exija tratamento com prescrição ou que tenham alergia a ovo, o exame de alergia ao amendoim e a introdução de alimentos contendo amendoim sob a supervisão de um profissional de saúde é uma consideração. Esses bebês de alto risco podem ter produtos de amendoim introduzidos a partir dos 4-6 meses de idade. Mais informações estão disponíveis nas Diretrizes do NIAID .

 

Saiba mais:

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics April 2019, VOLUME 143 / ISSUE 4

From the American Academy of Pediatrics

The Effects of Early Nutritional Interventions on the Development of Atopic Disease in Infants and Children: The Role of Maternal Dietary Restriction, Breastfeeding, Hydrolyzed Formulas, and Timing of Introduction of Allergenic Complementary Foods

Frank R. Greer, Scott H. Sicherer, A. Wesley Burks,

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740)Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP.Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade