PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O combate à coqueluche ou tosse comprida
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O combate à coqueluche ou tosse comprida

O combate à coqueluche ou tosse comprida

10/10/2012
  1792   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Um resfriado merece mais atenção do que muitos pais imaginam

coqueluche

Sempre fico arrepiado quando alguma mãe ou algum conhecido fala que não vai optar por determinada vacina, pois seu pediatra é homeopata, antroposófico, naturalista ou que as vacinas existem devido a um complô da indústria multinacional.

Hoje, leio em vários jornais sobre o aumento dos casos de coqueluche ou tosse comprida, e fico preocupado com as crianças que não tomaram vacinas.

Cerca de 4.000 novos casos de coqueluche ocorrem nos Estados Unidos a cada ano. Este ano, no Reino Unido (Grã-Bretanha), surgiram quase 5.000 casos, mais de 1.200 somente no mês de agosto. Foi registrado nove mortes em lactentes jovens, mesmo com a decisão do Comitê pela vacinação de gestantes no último trimestre da gravidez (28 a 32 semanas).

A coqueluche é causada pela bactéria Bordetella pertussis, que afeta as vias aéreas superiores. Suspeita-se que ela é mais comum do que pensamos, em especial nos adolescentes. Por isso, a vacinação continua sendo importante.

Sinais e Sintomas

Uma tosse severa, seca, violenta e rápida é o sintoma mais comum da coqueluche.

As secreções respiratórias que são expelidas durante esses episódios de tosse, podem espalhar a doença para outras pessoas. Quando uma criança desenvolve a coqueluche, ela tem surtos de tosse, que resultam em falta de ar. Depois de uma crise, respira-se profundamente. Esse padrão de respiração, muitas vezes, faz um som (estridor). Quando há uma pausa e a criança inspira e expira o ar, há um novo acesso de tosse.

Quando a criança é infectada com a bactéria da coqueluche, os sintomas podem aparecer de 7 a 10 dias depois, embora este período de incubação possa durar de 6 a 21 dias.

Quando chamar o pediatra?

Contate o seu médico se os sintomas do resfriado vierem seguidos pela presença de tosse convulsa. Inclui-se nesse quadro a piora da tosse, que se torna mais violenta e frequente, além do escurecimento das pontas dos dedos e dos lábios (cianose). Saiba que a criança pode vomitar no final de um espasmo de tosse, pode ficar extremamente cansada devido ao esforço e ter dificuldade para comer e beber.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade