PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pediatras discutem qual idade deve ter acesso a dispositivos eletrônicos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pediatras discutem qual idade deve ter acesso a dispositivos eletrônicos

Pediatras discutem qual idade deve ter acesso a dispositivos eletrônicos

03/11/2014
  559   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

tablet

Quando a Academia Americana de Pediatria (AAP) publicou a sua declaração política em 1999, o uso da mídia eletrônica era desaconselhado para crianças com menos de 2 anos, o foco foi em programas de televisão, vídeos e DVDs.

Ao longo dos últimos 15 anos, o cenário da tecnologia mudou dramaticamente. Crianças agora têm acesso a uma variedade estonteante de dispositivos touchscreen que estão disponíveis em qualquer lugar e em todos os lugares. Embora a AAP reviu a sua política de uso de mídia ao longo dos anos com base na mais recente pesquisa, a mensagem sobre a exposição dos bebês para as telas é o mesmo.

Dada a proliferação de dispositivos eletrônicos, é tempo para o conselho da AAP para seguir o caminho do videocassete?

Dois pediatras fizeram uma sessão de ponto e contraponto na Conferência Nacional AAP & Exhibition em outubro na cidade de San Diego.

Dimitri Christakis, MD, MPH, FAAP, defendeu o lado pró enquanto Donald Shifrin, MD, FAAP, assumiu a posição de contra. No entanto, ambos os membros do Conselho de AAP em Comunicação e Mídia concordam que regras rígidas e rápidas são difíceis de vender.

Dr. Christakis disse telas sensíveis ao toque são apenas uma plataforma. Se uma criança assiste a um filme em um iPad, não é diferente do que assistir a um filme em um DVD player. No entanto, os tabletes também podem ser usados para ler livros para crianças, e aplicativos de alta qualidade são semelhantes aos brinquedos. Portanto, a AAP precisa considerar como esses dispositivos são usados ​​em vez de desencorajar a sua utilização em toda a linha.

Dr. Shifrin, no entanto, teme que, se os pais acreditam que os aplicativos de dispositivos móveis são educativos, eles podem adotar uma “mais é melhor” mentalidade.

“A coisa mais perigosa que podemos fazer para que os jovens hoje em dia é negar-lhes o acesso ao mundo digital,” disse o Dr. Shifrin “, mas a segunda coisa mais perigosa é dar-lhes acesso ilimitado.”

Como se vê existe ainda muita polêmica, mas acredito que o bom senso deva imperar. Uso limitado de tempo e de conteúdo deve ser perseguido para os pais das crianças atuais e aguardemos pesquisas sore o assunto. Precisamos lembrar que o primeiro Ipad ainda não tem 5 anos e os smartphones se popularizaram nos últimos anos, muito pouco tempo para saber as consequências, benefícios e malefícios destes dispositivos.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Conferência Nacional AAP & Exhibition em outubro de 2014 na cidade de San Diego.

Dimitri Christakis, MD, MPH, FAAP, Donald Shifrin, MD, FAAP, assumiu

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o atendimento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade