PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O primeiro celular do seu filho: quando ele está pronto?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O primeiro celular do seu filho: quando ele está pronto?

O primeiro celular do seu filho: quando ele está pronto?

15/09/2022
  101   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No mundo atual, ninguém vive sem um smartphone e a pressão dos filhos sobre os pais para ganhar um é enorme. Decidir quando dar o primeiro aparelho ao seu filho pode ser uma fonte de ansiedade.

Os smartphones, em particular, oferecem um portal para a internet, aplicativos e mídias sociais. Você pode sentir que seu filho não está pronto para tanto acesso ao mundo digital. No entanto, você pode querer dar a ele um telefone para o básico: ter uma maneira de entrar em contato com você quando estiver na escola ou em atividades depois da escola ou na casa dos amigos, por exemplo.

Aqui coloquei algumas dicas de um artigo que li da Dra. Jenny Radesky, Professora Assistente em Pediatria Comportamental do Desenvolvimento na Faculdade de Medicina da Universidade de Michigan, da Academia Americana de Pediatria.

Durante a pandemia da covid-19, todos vimos os aspectos positivos de deixar seus filhos usarem dispositivos conectados à Internet. Para muitas crianças, isso significou poder estudar, conversar e brincar com seus amigos virtualmente durante o fechamento da escola e o isolamento em casa.

Porém, existem desvantagens de mais tempo online. Muitas crianças se depararam com vídeos impróprios para a idade ou tiveram encontros assustadores com pessoas online. Outros não conseguem mais largar o dispositivo quando é hora de fazer os deveres.

Tudo isso levanta a questão: muitas crianças têm acesso a tablets e computadores, então como os telefones são diferentes?

Bem, uma grande razão é que os telefones celulares são móveis. As crianças podem carregá-los para todos os lugares. Por causa disso, eles podem interromper ou eliminar outras atividades importantes, como conversar cara a cara, fazer a lição de casa, praticar esportes ou até mesmo dormir.

Aqui estão algumas coisas para refletir e considerar enquanto você e seu filho conversam sobre o primeiro telefone:

Seu filho já pensou em como gostaria de usar o telefone?

É natural que crianças e adolescentes queiram um telefone porque “todo mundo tem”. Evidente que essa é a resposta errada. Eles podem não estar prontos para os problemas que podem surgir. Alguns adolescentes dizem que não sabiam que teriam tantas novas distrações ou dramas sociais em suas vidas.

Converse com o seu filho sobre outras opções, como comprar um telefone básico ou um relógio que permita a comunicação sem toda a bagagem digital. Opções como essas podem ser mais adequadas em idades mais jovens.

Quais são os pontos fortes e os desafios que podem tornar mais difícil ter um telefone?

Seu filho tem um forte senso de responsabilidade e controle de impulsos ou tende a agir antes de pensar? Eles precisam de sua ajuda para tomar boas decisões ou você confia no julgamento deles quando não são supervisionados? Isso se torna importante a ser considerado quando eles têm acesso à internet, aplicativos de mensagens de texto e mídias sociais e podem facilmente dizer ou postar coisas das quais podem se arrepender. Como você saberia que seu filho está sendo um usuário responsável do telefone?

Converse com seu filho sobre segurança online e boa cidadania digital. Escolha alguns exemplos que mostram que eles estão sendo prudentes e gentis ao usar sua nova tecnologia. (Por exemplo, eles entraram em alguma discussão online esta semana? Eles usaram o telefone durante a aula?) Você pode ter uma ideia sobre isso com base na experiência de seu filho durante o aprendizado virtual para ajudar a orientar sua conversa.

Quais são as outras maneiras pelas quais eles podem se conectar com os amigos?

A conexão social é o maior fator para ter um telefone na pré-adolescência e adolescência. Interagir com os amigos é crucial, pois seu filho desenvolve um senso de identidade e comunidade. No entanto, se você acha que seu filho não está pronto para um smartphone, existem outras maneiras de ajudá-lo a se conectar com os amigos. Além de garantir que eles tenham oportunidades sociais pessoais, como clubes ou esportes, você pode ativar o bate-papo por vídeo e as mensagens de texto em um iPad ou tablet, por exemplo. Ou você pode permitir jogos de vídeo com amigos em um servidor compartilhado ou um jogo multijogador seguro com uma configuração de privacidade.

Você tem uma maneira regular de verificar com eles como está a vida (incluindo a vida digital)?

Quando as crianças adquirem um smartphone, elas têm acesso mais fácil ao mundo de informações na internet, aplicativos e mídias sociais. Como o mundo digital nem sempre é projetado com os usuários jovens em mente, seu filho precisa que você atue como um mentor. Nessa função, você pode ajudá-los a ter experiências positivas online e descompactar as experiências negativas.

Procure um horário regular para conversar com seu filho, como durante passeios de carro ou refeições. Tente criar uma nova rotina! Você pode reservar uma noite por semana para cozinhar juntos, por exemplo.

Também é importante manter-se informado sobre o que está acontecendo com a mídia digital. Faça com que seu filho mostre quais jogos ou aplicativos ele gosta e leia sobre eles quando tiver um minuto. Se você e seu filho decidirem que não estão prontos para um telefone, tudo bem também. Esta pode ser uma conversa contínua sobre a relação do seu filho com a tecnologia. Você pode continuar explorando quais tipos de produtos de tecnologia não-smartphone estão disponíveis e que atendem às suas necessidades sociais, além de outras considerações.

Se você decidir comprar um telefone para seu filho, faça um esforço para saber que tipos de recursos existem para oferecer suporte ao uso seguro e positivo da mídia. Isso pode incluir controles dos pais, configurações, filtros, cronômetros e outras ferramentas digitais de bem-estar disponíveis em dispositivos e aplicativos. Configure-os junto com seu filho e explique as razões por trás dos limites e controles que você escolheu.

Trate a compra de um telefone como um experimento. À medida que seu filho mostra mais responsabilidade, ele pode ganhar mais independência e menos controles. Mantenha uma mentalidade de mentoria: confiram novos aplicativos ou plataformas juntos, comparem notas e decidam juntos o que está funcionando e o que não está.

Por fim, crie um plano de uso de mídia familiar e modele os hábitos. Seja um exemplo do que você está falando. Lembre-se de que as crianças aprendem tanto nos assistindo quanto nas nossas palestras bem-intencionadas! Se você olhar para o seu telefone enquanto dirige ou durante as refeições, é provável que eles façam o mesmo. Se você puder tentar equilibrar seu uso de mídia com atividades sem tela, eles acharão mais fácil fazer o mesmo.

 

Fonte:

Conselho da Academia Americana de Pediatria em Comunicações e Mídia (Copyright © 2022)

Saiba mais:

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.