PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os perigos de asfixia por alimentos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os perigos de asfixia por alimentos

Os perigos de asfixia por alimentos

16/10/2013
  1021   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os ditos populares têm toda a razão ao dizerem que este impasse pode colocar a saúde das crianças em risco

perigos de asfixia por alimentos

Diz a sabedoria popular que engasgar é um perigo. Como é uma coisa comum entre crianças, esse é um detalhe de preocupação entre mães e pais. Mas será que é realmente um impasse perigoso para os pequenos? Veja este artigo baseado em um estudo americano.

Asfixia é uma das principais causas de lesões entre as crianças e, às vezes, pode ser fatal, especialmente entre aquelas de até 4 anos de idade. A quantidade das que sufocam com alimentos é particularmente elevada, especialmente porque o tamanho, a forma e a consistência de certos alimentos as tornam mais propensas ao perigo de asfixiar.

No estudo, os pesquisadores investigaram a asfixia relacionada com alimentos e que foram para a emergência entre 2001-2009, usando dados do Programa Vigilância Eletrônica Nacional Americano. Os autores avaliaram 12.400 mil crianças, de 0 a 14 anos de idade, tratadas nas emergências relacionadas com alimentos e asfixia, o que equivale a 34 pequenos por dia.

Balas duras causaram episódios de asfixia em 15%, seguido por outros doces (13%), por salsicha (12%) e ossos (12%). Entre alimentos de alto risco, incluem-se os cachorros-quentes e as sementes como nozes, mais propensos a necessitar de internações. Os meninos responderam por pouco mais da metade (55%) de todos os casos, e as crianças de 0 a 4 anos de idade experimentaram a maior taxa de asfixia relacionada a alimentos.

Em linha com as recomendações dadas pela Academia Americana de Pediatria, os autores do estudo propõem a implementação de um melhor acompanhamento dos incidentes por asfixia relacionados a alimentos por meio da rotulação com advertências, caso eles apresentem alto risco de acarretar esse impasse. Como também o desenvolvimento de campanhas de sensibilização para educar pais e o público em geral sobre o perigo da asfixia relacionada a alimentos entre as crianças.

Como se vê, mais uma vez a sabedoria popular está com a razão e, em caso de engasgo com alimentos, principalmente em crianças menores de 4 anos, pais e cuidadores precisam estar sempre atentos.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Nonfatal Choking on Food Among Children 14 Years or Younger in the United States

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade