PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pobreza e Saúde da Criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pobreza e Saúde da Criança

Pobreza e Saúde da Criança

23/03/2017
  700   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Crescer pobre torna tudo mais difícil. Para muitas crianças, o fato de serem criados em ambiente de pobreza, limita sua capacidade de atingir seu maior potencial. Crianças de famílias pobres ou bairros com baixo IDH são mais propensas do que outras crianças a terem sérios problemas de saúde. Entre eles:

  • Baixo peso de nascimento

A má nutrição e o tabagismo durante a gravidez são causas comuns de baixo peso ao nascer.

Esses bebês têm taxas mais altas de rehospitalização, problemas de crescimento, doença infantil, problemas de aprendizagem e atrasos no desenvolvimento.

Bebês nascidos com baixo peso ao nascer têm maior risco de morrer no primeiro ano de vida.

  • Doenças crônicas como a asma

Baixa qualidade de habitação e exposição ao fumo passivo são fatores que contribuem.

  • Obesidade e pressão alta

Bairros pobres podem não ter playgrounds seguros, parques ou esportes organizados para crianças. Todas estas coisas são barreiras para um peso corporal saudável.

  • Maior lesão acidental

Vivendo em uma casa insegura e em um bairro perigoso, pode colocar as crianças em maior risco de violência.

  • Falta de prontidão escolar

As crianças pobres são menos propensas a participar de atividades organizadas e muitas vezes não têm suprimentos suficientes ou livros em casa. A baixa escolaridade dos pais e as famílias monoparentais são fatores complexos que podem interferir com a prontidão escolar.

  • Estresse tóxico

A pobreza é estressante e causa danos ao cérebro e à saúde física e mental geral da criança até a idade adulta.

Violência em casa, tendo um pai na prisão, e negligência emocional aumentam a quantidade de estresse tóxico crianças enfrentam.

As crianças em situação de pobreza têm maior probabilidade de ter essas experiências do que as que vivem acima da linha de pobreza.

  • Hoje, 1 em cada 5 (cerca de 15,5 milhões) crianças vivem na pobreza nos EUA – 23% têm menos de cinco anos. O maior alcance que temos para crianças com menos de cinco anos é através de pediatras.

 

Triagem de fatores de risco econômicos

A Fundação José Luiz Egydio Setúbal, através de seus serviços, o Sabará Hospital Infantil e do Instituto PENSI, atua de forma a pensar estes problemas e como ajudar a solucioná-los através de projetos e programas para a população mais carente.

Saiba mais sobre este assunto:

https://institutopensi.org.br/respons_social/projetos-sociais/

https://institutopensi.org.br/?s=estresse+toxico

https://institutopensi.org.br/cep_fjles/historico/

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pobreza e Saúde da Criança, nos Estados Unidos (Declaração de Política AAP)

Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2016)

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade