PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uso de cigarros eletrônicos pelos adolescentes aumenta o risco de uso tradicional de cigarro
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uso de cigarros eletrônicos pelos adolescentes aumenta o risco de uso tradicional de cigarro

Uso de cigarros eletrônicos pelos adolescentes aumenta o risco de uso tradicional de cigarro

03/01/2018
  606   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Criados no início dos anos 2000, os cigarros eletrônicos vêm se multiplicando em modelos, sabores e controvérsia.

Enquanto em países como EUA e Reino Unido os chamados e-cigs se popularizaram, em outros, como Brasil, a comercialização do produto é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas os dispositivos vêm ganhando uma legião de adeptos no país. Cigarro eletrônico foi idealizado para ajudar as pessoas a pararem de fumar. Desde seu lançamento está envolto em polêmicas sobre sua eficácia, se causa câncer, se pode levar a dependência etc.

O uso de cigarros eletrônicos entre os alunos do ensino médio serviu como um preditor significativo de que, posteriormente, fumarão cigarros tradicionais, de acordo com um estudo publicado na edição de janeiro de 2018 da revista Pediatrics. No entanto, o inverso não era válido entre os estudantes que relataram o uso de cigarros tradicionais, pois isso não previu o uso futuro de cigarros eletrônicos, de acordo com o estudo “Trajetórias de cigarro eletrônico e uso convencional de cigarros entre os jovens”.

Os pesquisadores seguiram cerca de 800 alunos em três escolas secundárias públicas em Connecticut nos EUA e analisaram os resultados de levantamentos longitudinais que os alunos apresentaram em 2013, 2014 e 2015 que relataram o uso dos cigarros eletrônicos e cigarros tradicionais.

O estudo mostra que a frequência do uso de cigarros eletrônicos e do uso tradicional de cigarros também aumentou ao longo do tempo. Os autores sugerem que são necessárias mais pesquisas para desenvolver programas eficazes de regulação e prevenção de cigarros eletrônicos.

No Brasil, apesar da venda suspensa, pode-se facilmente achar o produto pela web ou em ambulantes nos centros das grandes cidades. A indústria do tabaco conseguiu dar um quase xeque-mate na Anvisa [Agência de Vigilância Sanitária]. Desde 2012, eles entraram com ação questionando a constitucionalidade da Anvisa de regular produtos de tabaco. E também entraram com liminar suspensiva. A medida foi publicada, mas não está sendo implementada porque a indústria alega que a agência não teria competência de proibir ingredientes no cigarro.

Saiba mais:

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics January  2018

“E-Cigarettes: A 1-Way Street to Traditional Smoking and Nicotine Addiction for Youth”

Jonathan D. Klein

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade