PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Orientações para o tratamento de crianças vítimas de violência
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Orientações para o tratamento de crianças vítimas de violência

Orientações para o tratamento de crianças vítimas de violência

13/08/2021
  305   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Nossa Fundação elegeu a violência doméstica contra a criança como tema de saúde mental a ser debatido como “política pública na área da infância e juventude”.

Um relatório clínico da Academia Americana de Pediatria (APP) traz orientações importantes sobre saúde mental de crianças que sofrem estresse de várias formas de traumas e que ficou mais evidenciado nestes últimos tempos devido a pandemia.

Mesmo antes da pandemia, já se sabia que as ameaças mais fundamentais à saúde têm suas raízes nas adversidades vividas pelas crianças sem proteção suficiente de um cuidador. O comportamento, o desenvolvimento, os relacionamentos e a saúde física podem ser afetados por toda a vida devido aos impactos de experiências adversas no desenvolvimento e na neurofisiologia do cérebro, na função imunológica e na expressão gênica.

Os pediatras que as famílias confiam e se envolvem com os jovens ao longo da vida têm a oportunidade de melhorar os resultados. Mas como? Cada vez menos as famílias têm um pediatra, mesmo na saúde básica ou da família as equipes raramente possuem um pediatra.

Embora a ciência subjacente ao estresse tóxico tenha evoluído por décadas, a orientação para políticas e aplicação clínica prática em pediatria foi defasada. Mesmo assim a Sociedade Brasileira de Pediatria luta para que isso aconteça.

Na nova declaração de política da AAP e um relatório clínico sobre cuidados informados sobre traumas fornecem orientação para pediatras, parceiros da comunidade e outros médicos que atendem crianças para levar essa ciência para fora do laboratório e colocá-la em vidas.

A política também inclui recomendações para advocacy governamental, grandes sistemas de saúde, organizações de assistência gerenciada, instituições acadêmicas e hospitais infantis para implementar políticas e procedimentos informados sobre traumas que incluem o cuidado de profissionais de saúde, crianças, jovens, familiares e outros cuidadores.

Ambos os documentos enfatizam o poder de relacionamentos seguros, protegidos e estimulantes – conhecidos como saúde relacional – para mitigar os efeitos de experiências potencialmente traumáticas e promover a resiliência. Os médicos pediatras têm uma oportunidade única de promover a resiliência em cada visita e abordar as consequências para a saúde e o desenvolvimento de forma eficaz quando o trauma ocorre.

Os pediatras já abordam os efeitos do trauma que se apresentam como distúrbios do desenvolvimento, da saúde comportamental ou física. A recuperação do estresse pós-traumático é facilitada quando essas preocupações são diagnosticadas de forma adequada e abordadas com tratamento baseado em evidências e dentro do contexto de uma relação de cuidado.

Cada encontro de saúde em pediatria é uma oportunidade para promover a sintonia pai-filho, identificar e amenizar traumas e promover a resiliência infantil. Este é o atendimento informado sobre o trauma – ou o que poderia ser melhor denominado atendimento informado sobre a resiliência e o relacionamento. Ele fornece uma estrutura que começa na infância, ou mesmo no pré-natal com as famílias, e nutre a relação pai-filho ao longo das idades e estágios de desenvolvimento para otimizar a saúde infantil, a resiliência e o bem-estar.

Nos EUA, a Rede Nacional de Estresse Traumático Infantil (https://www.nctsn.org/) define cuidados informados sobre trauma como cuidados médicos em que todas as partes envolvidas avaliam, reconhecem e respondem aos efeitos do estresse traumático em crianças, cuidadores e profissionais de saúde.

Aqueles que lutam com os efeitos do trauma podem se apresentar de várias maneiras e com uma gama de gravidade. Embora a triagem especificamente para a exposição a experiências adversas na infância tenha sido promovida em alguns estados recentemente, o atendimento informado ao trauma incorpora a triagem ou vigilância no contexto da atenção integral. Tudo começa com o envolvimento das famílias, construindo resiliência, abordando o apego e garantindo a segurança em todas as visitas. O relatório clínico apresenta conselhos para famílias e orientações para médicos pediatras em tabelas, figuras e acrônimos fáceis de lembrar.

A liderança governamental, institucional e acadêmica precisa se comprometer com o atendimento informado sobre o trauma para torná-lo mais eficaz. Um modelo de serviço que integra saúde biomédica e comportamental é um acréscimo necessário às práticas atuais e requer novos currículos de treinamento, pesquisa de prova de conceito e modelos de pagamento para apoiar e promulgar cuidados informados sobre trauma.

A implementação total do cuidado informado sobre o trauma inclui atenção ao estresse traumático secundário ou à tensão emocional que resulta quando um indivíduo ouve sobre as experiências traumáticas de outro. Assim, uma equipe multidisciplinar pode atender melhor às múltiplas facetas do atendimento informado sobre trauma, oferecendo a oportunidade de compartilhar o trabalho e apoiar-se mutuamente em relacionamentos que impulsionam os prestadores de serviços médicos, bem como os pacientes e suas famílias.

Talvez a mensagem mais importante dos documentos seja que os humanos desenvolvem habilidades de resiliência e encontram segurança contra ameaças por meio de relacionamentos. Aprender a controlar os primeiros relacionamentos de uma criança e todos os que se seguem para fornecer cuidados informados sobre traumas nos permite usar o melhor que a medicina tem a oferecer: a ciência e uns aos outros.

Fontes:

  • Heather C. Forkey, MD, FAAP e James H. Duffee, MD, MPH, FAAP

Relatório clínico AAP Política AAP

Copyright © 2021 American Academy of Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade