PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Qual a cor dos olhos do recém-nascido?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Qual a cor dos olhos do recém-nascido?

Qual a cor dos olhos do recém-nascido?

27/06/2023
  1970   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Esse é o título de uma postagem que escrevi há 10 anos e que talvez seja a de maior sucesso no nosso blog: quase 200 mil leitores! Ela possuía uma ferramenta que permitia conferir a previsão da cor dos olhos de seus filhos, a partir de uma tabela com uma variedade enorme de cores de olhos humanos.

É possível prever a cor dos olhos dos nossos filhos?

Praticamente, todos os pais costumam perguntar isso na primeira consulta com o pediatra. Mais abaixo vamos ver que não é uma pergunta tão simples de ser respondida, afinal, os olhos cinzas são predominantes logo que os recém-nascidos se mostram aos pais pela primeira vez.

Raramente respondo com certeza a esta questão até que a criança tenha, pelo menos, um ano de idade. Quando falamos sobre a cor dos olhos, estamos realmente falando sobre o aspecto da íris, o anel muscular ao redor da pupila que controla a quantidade de luz que entra no olho. Afinal de contas, a pupila será sempre preta. A cor da íris, assim como a cor do cabelo e da pele, depende de uma proteína chamada melanina. Quando o bebê nasce, os olhos serão cinzas ou azuis, porque os melanócitos respondem à luz, e o órgão da visão passou sua vida inteira no escuro até o nascimento.

Com o tempo, se os melanócitos secretam pouca melanina, seu bebê terá olhos azuis. Se eles secretam um pouco mais, os olhos serão verdes ou avelã. Quando os melanócitos secretam bastante, o órgão da visão adquire a cor marrom (a cor mais comum) e, em alguns casos, podem parecer muito escura, de fato. Como demora cerca de um ano para os melanócitos concluírem seu trabalho, pode ser arriscado dizer a cor dos olhos antes do primeiro aniversário do bebê. A mudança de cor não altera muito depois dos primeiros seis meses de vida, mas pode haver muita mudança.

Superficialmente, isso pode parecer uma pergunta fácil de se responder. Por muitos anos, os cientistas pensaram que a cor dos olhos poderia ser perfeitamente prevista pela compreensão das cores dos olhos dos membros da família. Geralmente, os bebês se parecem com os pais, certo? Então, se ambos têm olhos castanhos, os olhos do bebê também não serão castanhos? Agora, sabemos que isso não é 100% verdade.

Como a maioria das coisas na ciência, é um pouco mais complicado do que pensávamos inicialmente! Começando com a genética da cor dos olhos. Para iniciar, precisamos apresentar uma palavra de três letras muito importante que você já deve ter ouvido antes: DNA. Ele contém as instruções que nossos corpos precisam para se desenvolverem e crescerem. O DNA também contém instruções para muitos traços e características físicas que temos, como a cor dos olhos.

Outra palavra com a qual você pode estar familiarizado é gene. Os genes são apenas pequenos pedaços de DNA que contêm informações para fazer coisas específicas. Os cientistas descobriram alguns genes específicos que desempenham um papel importante na cor dos olhos. Um desses genes é o OCA2. Ele está envolvido na produção de melanina, o pigmento marrom encontrado nos olhos, cabelo e pele. Existem várias versões diferentes do gene OCA2.

Mas, preste atenção, pois é aqui que as coisas ficam ainda mais complicadas! Na verdade, todos nós temos duas cópias de cada gene, uma de cada pai. E como os genes podem vir em versões diferentes (alelos), os dois que você herda podem ser muito diferentes um do outro. Então, alguém pode ter um alelo que produz olhos castanhos e um alelo que produz olhos azuis. O que acontece depois?

Alguns alelos são dominantes e podem dominar qualquer outra coisa. Você verá o efeito de um alelo dominante, não importa qual seja a segunda cópia. Outros alelos são recessivos e só serão vistos se não houver alelos dominantes próximos a eles. Parabéns! Agora você tem uma boa compreensão da genética clássica (ou genética mendeliana).

Agora, vamos continuar aumentando a complexidade, uma vez que existem mais cores de olhos do que apenas azul ou marrom! Você mesmo ou alguém que você conhece pode ter olhos verdes, castanhos ou até mesmo rosados. Então, como essas cores se encaixam em nosso quebra-cabeça?

Como mencionamos, a cor dos olhos é afetada por mais do que apenas um ou dois alelos em um único gene. Na realidade, a cor dos olhos é afetada por dezenas de genes! Isso o torna um traço poligênico.

Mas a cor dos olhos não é afetada apenas por seus genes. Também é influenciada por fatores ambientais, especialmente durante os primeiros anos de desenvolvimento do bebê. Isso inclui exposição à luz solar, acesso a alimentos, estresse e até exposição a certos vírus (como herpes). A cor dos olhos ainda pode ser afetada por certas condições genéticas, como síndrome de Down ou albinismo. Talvez, por tanta complexidade é que tiraram a ferramenta de previsão do ar.

Quando você junta tudo isso, pode começar a ver por que prever a cor dos olhos é surpreendentemente complicado, mas só com as regras simples da genética Mendeliana já dá para se ter uma grande chance de acerto.

 

Fontes:

https://medlineplus.gov/genetics/understanding/traits/eyecolor/

https://www.thetech.org/ask-a-geneticist/articles/2023/is-it-possible-to-predict-what-color-eyes-my-child-will-have/

 

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cor-dos-olhos-dos-recem-nascidos/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cor-dos-olhos-dos-recem-nascidos-como-identificar/

 

Vídeo sobre a miopia na infância:

https://www.youtube.com/watch?v=39ZYXQMOmFw&t=151s

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.