PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Retinoblastoma, um câncer raro que pode ocorrer nos olhos das crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Retinoblastoma, um câncer raro que pode ocorrer nos olhos das crianças

Retinoblastoma, um câncer raro que pode ocorrer nos olhos das crianças

01/02/2022
  486   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O apresentador Tiago Leifert e sua esposa, a youtuber Daiana Garbin, revelaram no final de janeiro, em vídeo publicado no Instagram, que a filha dos dois, Lua, está com um câncer raro nos olhos, chamado retinoblastoma.

O que é retinoblastoma?

O retinoblastoma é o tumor intraocular mais comum da infância e corresponde de 2,5% a 4% de todas as neoplasias pediátricas, embora seja bem raro. Foi o primeiro câncer a ser descrito como uma doença genética. Ele surge da retina, o tecido nervoso na parte de trás do olho que é sensível à luz. Graças aos avanços no diagnóstico e tratamento, mais de 95% das crianças com retinoblastoma contido no olho podem agora ser curadas.

O retinoblastoma, geralmente, é diagnosticado antes dos 2 anos de idade e mais de 90% dos casos são diagnosticados aos 5 anos – é igualmente comum em meninos e meninas. Tumores podem estar presentes em um ou ambos os olhos e raramente se espalham para outras partes do corpo e podem ser herdados dentro de uma família ou podem ocorrer em uma criança sem histórico familiar da doença. O retinoblastoma é raro – cerca de 250-300 crianças nos Estados Unidos são diagnosticadas a cada ano. No Brasil, a única estatística que encontrei é de 2010, em um artigo intitulado “Cancer incidence among children and adolescents in Brazil: first report of 14 population-based cancer registries”. A publicação revela que a incidência de retinoblastoma no Brasil é o dobro da registrada nos Estados Unidos e na Europa.

O principal sintoma do retinoblastoma é a leucocoria, um reflexo branco na pupila conhecido como olho de gato. Em outras palavras, trata-se do reflexo da luz sobre a superfície do próprio tumor. Esse sinal, muitas vezes, só pode ser notado em algumas posições do olhar, à luz artificial quando a pupila estiver dilatada ou em fotos quando a luz do flash bate sobre os olhos. Outros sinais e sintomas do retinoblastoma, que podem acometer somente um ou os dois olhos, são: estrabismo (olhar vesgo), fotofobia (sensibilidade exagerada à luz), dificuldade visual e proptose. Não há como prevenir, mas o diagnóstico precoce é fundamental.

As crianças com retinoblastoma recebem tratamento de uma equipe multidisciplinar de oncologistas, oftalmologistas, radiologistas intervencionistas e outros subespecialistas com experiência em retinoblastoma. O Sabará Hospital Infantil e o A.C. Camargo Cancer Center mantem uma parceria para um programa integrado de oncologia pediátrica, que oferece todos os serviços de um centro de câncer líder e de um hospital pediátrico de renome para o atendimento de crianças com todos os tipos de câncer.

Como falamos acima, o tratamento pode levar a cura em até 95% dos casos. As diferentes abordagens terapêuticas possíveis serão mencionadas a seguir:

  1. Cirurgia de enucleação;
  2. Tratamentos locais como laserterapia e crioterapia são usados, geralmente, para tumores pequenos em combinação com quimioterapia;
  3. Quimioterapias intravítrea e intra-arterial;
  4. Quimioterapia intravenosa;
  5. Radioterapia;
  6. Transplante autólogo de medula óssea.

O manejo destes pacientes deve acontecer em centros especializados e de referência, que disponham dessas modalidades e equipe multidisciplinar familiarizada para o acesso mais rápido ao tratamento assim como abordagem mais adequada.

Novos tipos de tratamento estão sendo testados por meio de ensaios clínicos. Um ensaio clínico é um estudo de pesquisa destinado a ajudar a melhorar os tratamentos atuais ou a obter informações sobre novos tratamentos. Quando os ensaios clínicos mostram que um novo tratamento é melhor do que o tratamento padrão, o novo tratamento pode se tornar o tratamento padrão. Também temos estudos abertos para abordar a melhor forma de rastrear crianças com síndromes de predisposição ao câncer, incluindo retinoblastoma.

O diagnóstico e o tratamento podem afetar a visão e, consequentemente, a qualidade de vida destes pacientes. Torna-se crucial o seguimento de longo prazo para determinação dos efeitos tardios e intervenção mais precoce, além da monitorização do risco de segundas neoplasias. O aconselhamento genético é fundamental para ajudar os pais na compreensão das consequências genéticas de cada forma do retinoblastoma e para estimativa do risco nos seus familiares.

 

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cuidando-dos-olhos-do-seu-filho/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cancer-em-criancas-e-adolescentes/

 

Fontes:

https://www.uol.com.br/splash/noticias/2022/01/29/filha-tiago-leifert-cancer.htm

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/retinoblastoma

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.