PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Voando com o bebê: aquilo que você precisa saber
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Voando com o bebê: aquilo que você precisa saber

Voando com o bebê: aquilo que você precisa saber

28/12/2023
  1570   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estamos chegando ao final do ano e das férias de verão. Para nós, brasileiros, é tempo de viajar! Levar um bebê de avião é algo que a maioria dos pais encara com receio – e por um bom motivo. Bebês e viagens aéreas podem ser imprevisíveis e nem sempre combinam. Mas algum planejamento e preparação podem ajudar a proporcionar uma melhor experiência para seu bebê, você e todos os outros passageiros do avião.

Como pediatra, sempre respondia a uma série de perguntas sobre esse assunto. Aqui estão as respostas para algumas perguntas que você pode ter antes de viajar, além de dicas para um voo mais tranquilo e seguro.

Quando meu bebê terá idade suficiente para voar de avião?

Geralmente, você deve evitar voar com seu recém-nascido até que ele tenha, pelo menos, 7 dias de vida. O ideal é esperar até que o bebê tenha dois ou três meses para voar. As viagens aéreas (e estar em aeroportos lotados) podem aumentar o risco de um recém-nascido contrair uma doença infecciosa. Lembre-se de que o esquema básico das principais vacinas termina com 6 meses e a vacina de covid-19 só está disponível após os 6 meses.

Meu bebê deve sentar-se no meu colo durante o voo?

Idealmente, não.

Voos nacionais: você pode viajar com o bebê no colo e comprar a passagem dele sem custo adicional.

Voos internacionais: você pode viajar com o bebê no colo pagando a passagem dele (10% da tarifa adulto mais impostos). Porém, isso significa que seu bebê estará no seu colo. Se houver turbulência, ou algo pior, pode não ser fisicamente possível protegê-lo nos seus braços.

Se você não comprar uma passagem para seu filho(a), pergunte se sua companhia aérea permite que você use um assento vazio onde possa instalar uma cadeirinha.

Qual a maneira mais segura para o bebê voar?

A maneira mais segura de seu bebê voar é em um sistema de segurança para crianças: uma cadeirinha de carro ou dispositivo de avião aprovado pela Federal Aviation Administration (FAA). Deve ser aprovado para a idade e tamanho do seu filho(a) e instalado junto com o cinto de segurança do avião. Os assentos elevatórios não podem ser usados ​​em aviões durante o voo.

  • Bebês com peso inferior a 10 kg devem ser colocados em uma cadeirinha voltada para trás durante viagens de avião.
  • Crianças que pesam de 10 a 20 kg devem ser acomodadas em uma cadeirinha de carro. Elas não devem passar a usar apenas o cinto abdominal do avião até atingirem, pelo menos, 20 kg.

Existe uma alternativa aprovada pela FAA ao uso de uma cadeirinha de carro em um avião, chamada Sistema de Retenção de Aviação Infantil (CARES).

Devo levar nossa cadeirinha no avião conosco? Isso conta como bagagem?

Assentos de carro, assentos elevatórios e carrinhos de bebê geralmente não contam como bagagem, mas as políticas variam de acordo com a companhia aérea; verifique antes de voar.

Qual assento no avião é melhor para um bebê?

Procure linhas no avião com mais espaço, como o anteparo. As filas de saída estão fora, por razões de segurança. Escolha um assento mais próximo da janela, se possível. Os assentos no corredor podem ser arriscados para os bebês durante o serviço de bebidas.

Existe uma maneira de meu bebê ficar deitado em voos longos?

Colocar o bebê em uma cadeirinha ou sistema de segurança continua sendo a opção mais segura. No entanto, existem outras opções disponíveis para ajudá-lo a dormir confortavelmente, especialmente em voos de longo curso.

  • Berços de avião. Algumas companhias aéreas oferecem berços presos à parede da antepara do avião. A maioria delas exige que o bebê tenha menos de 6 meses de idade e/ou 9 Kg e ainda não seja capaz de sentar-se sem ajuda.
  • Assento-cama. Por uma taxa adicional, algumas companhias aéreas internacionais permitem reservar três assentos seguidos com extensões de assento bloqueadas. Isso cria um “sofá-céu” ou assento-cama grande o suficiente para pais e filhos. (isso é mais comum nos EUA).
  • Extensores de assento infláveis. Algumas companhias aéreas permitem que você traga sua própria extensão de assento inflável e individual para o seu bebê dormir deitado. Porém, nem todas as companhias aéreas permitem que eles sejam usados, portanto, verifique com antecedência.

Poderei obter fórmula líquida ou leite materno ordenhado através da segurança?

Sim, mas você deve seguir as regras de quantidades razoáveis. Isso significa que você está isento(a) da regra 3-1-1 que limita os líquidos a 100 ml. Embale a fórmula, o leite materno ordenhado ou a água para misturar com o pó separadamente e esteja pronto para informar que você o possui. Você pode pedir para que eles não passem pela máquina de raio X (embora isso não deva causar problemas de saúde).

Alguma dica para manter meu bebê confortável e contente no avião?

  • Vista seu bebê em camadas. A temperatura em um avião pode variar muito, especialmente se você estiver esperando na pista. Então, utilize camadas de roupas. Ao escolher as roupas, selecione aquelas que facilitem a troca de fraldas em um espaço pequeno. Além disso, leve uma ou duas mudas de roupa, para o caso de ocorrer turbulência durante a troca de fraldas ou durante a alimentação. Leve sacos plásticos para roupas sujas.
  • Esteja preparado para dores de ouvido durante a decolagem e aterrissagem. Nesses momentos, as mudanças na pressão entre o ouvido externo e o ouvido médio podem causar desconforto. Se o seu bebê passou por uma cirurgia no ouvido ou teve uma infecção no ouvido nas últimas duas semanas, pergunte ao médico se ele pode voar. Fazer com que os bebês bebam do peito ou da mamadeira, ou chupem, pode ajudar.
  • Tenha em mente que dormir bebês é mais fácil para todos. Se possível, viaje num horário em que seu bebê durma naturalmente ou considere tentar adiar uma soneca até a hora de voar. Atrasos nos voos podem fazer com que o tiro saia pela culatra se o seu bebê exausto decidir gritar em vez de dormir. Mas pode valer a pena tentar.
  • Considere trocar a fralda logo antes de embarcar no avião. Um bebê seco é um bebê feliz. Felizmente, quando você precisa trocar uma fralda durante o voo, muitos aviões têm trocadores de banheiro.
  • Traga distrações. Leve alguns brinquedos e livros e esteja pronto(a) para brincar com seu bebê o tempo todo. Um tablet com vídeos pode ser um bom backup se os brinquedos e livros não ajudarem mais (não incentivamos mídias de entretenimento para crianças menores de 2 anos, mas tempos desesperadores às vezes podem exigir medidas desesperadas).
  • Não deixe os olhares atingirem você. Apesar do melhor planejamento e esforços avançados, os bebês às vezes choram. Saiba que você fez e está fazendo tudo o que pode. Nesse ponto, uma das melhores maneiras de acalmar seu bebê pode ser manter a calma. E lembre-se de que, para cada pessoa que está olhando para você, há muitas pessoas que já passaram por isso e têm muita empatia.
  • Peça ajuda à sua companhia aérea se precisar de apoio para fazer um voo de conexão. Carregar um sistema de retenção para crianças, seu bebê e sua bagagem em um aeroporto movimentado pode ser um desafio.

Meu bebê precisa de passaporte para viagens internacionais?

Sim. Todos os cidadãos brasileiros, incluindo crianças, precisam de um passaporte válido para viajar internacionalmente. Certifique-se de trazer a certidão de nascimento do seu bebê e uma foto tirada nos últimos 6 meses.

E os voos domésticos?

Geralmente, um passaporte válido é a única identificação que seu bebê precisará para voar em um voo doméstico, a menos que você precise apresentar um comprovante de idade para obter desconto na tarifa infantil. Verifique com sua companhia aérea antes de viajar.

As crianças de 8 anos de idade até antes de completar 12 anos devem viajar acompanhadas por uma pessoa com mais de 18 anos de idade ou por um adolescente emancipado (se viajar com um dos pais). Os adolescentes de 12 anos de idade até antes de completar 18 anos podem viajar sozinhos. Se preferir, é possível contratar também o serviço de menores desacompanhados.

Qual é a melhor hora do dia para voar com um bebê?

É difícil dizer se é melhor voar durante o dia ou à noite com um bebê. Após as primeiras semanas, alguns bebês podem dormir com mais segurança à noite do que durante a soneca. Se você e seu bebê puderem dormir no avião, um voo noturno pode ser a melhor opção.

Importante: no Brasil, os menores só podem ser emancipados a partir dos 16 anos de idade, e não é permitido que um menor emancipado seja responsável por outro menor, só é permitido o embarque acompanhado por um adulto responsável com mais de 18 anos de idade.

Que condições um acompanhante deve cumprir?

Para estar encarregado de um menor ou de uma pessoa com deficiência que não possa cuidar de si mesmo, o acompanhante deve atender aos seguintes requisitos:

  • Ser um adulto legalmente responsável, maior de 18 anos de idade e autônomo.
  • Não ter nenhum impedimento para auxiliar o passageiro e sua bagagem de mão durante o embarque, voo ou desembarque.
  • Viajar na mesma cabine do passageiro que estiver acompanhando e ficar no assento ao lado.
  • No caso de pais que ainda não forem maiores de idade, caso preencham as condições restantes, poderão ser acompanhantes dos filhos.

Fontes:

Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2023)

https://www.latamairlines.com/br/pt/central-ajuda/perguntas/necessidades-especiais/bebes-criancas/viagem-infantes-menores

https://www.latamairlines.com/br/pt/experiencia/prepare-sua-viagem/documentacao-vacinas/documentacao-voos-nacionais

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/ferias-que-tal-um-pouco-de-natureza-para-seus-filhos-em-vez-de-telas/

https://institutopensi.org.br/enfim-ferias/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/5-dicas-de-viagens-de-ferias/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/ferias-escolares-pausa-na-rotina-e-mudancas-de-habitos-2/

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Dr Gustavo Noffs disse:

    Gostei do resumo, e de boa utilidade pública. Sou otorrinolaringologista e concordo com as linhas gerais sobre dor nos ouvidos por diferença d epressão na ascenção e descida do avião – mamar poder ajudar bem, mas tem que ser sentado (ou quase)! Aprendi um pouco sobre o restante. Obrigado, Dr Setúbal!

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.