PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pronto Atendimento ou consultório do pediatra?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pronto Atendimento ou consultório do pediatra?

Pronto Atendimento ou consultório do pediatra?

07/04/2014
  3394   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Com o final do verão e início do outono e inverno, aumenta a procura por Prontos Atendimentos dos hospitais, principalmente nas alas de pediatria. No Hospital Infantil Sabará, o movimento de abril e maio ultrapassa 12 mil crianças por mês, o dobro de janeiro e fevereiro. As filas de espera são inevitáveis, já que a estrutura física do Hospital não pode mudar. Em um interessante artigo da revista Pediatrics eles orientam os pais sobre o uso do Pronto Atendimento.

As famílias podem decidir usar um Pronto Atendimento (PA) porque acreditam que é conveniente e mais barato, mas de acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP), os PAs não fornecem às crianças a mesma qualidade no atendimento dos consultórios pediátricos nem concedem os cuidados preventivos.

Em uma declaração política atualizada publicada na Pediatrics de março de 2014, a AAP enfatiza que os PAs são uma fonte inadequada da atenção primária para as crianças, porque eles fragmentam os cuidados de saúde com as crianças e devem ser utilizados apenas para emergência e grandes urgências.

Com a falta de pediatras e a vida atribulada da modernidade, os pais e mães dão preferência para o Pronto Atendimento, pois lá fazem as consultas, se necessários os exames e pegam as receitas, tudo numa única saída do trabalho. Realmente é tentador, mas se pensarmos no bem-estar das crianças e nas melhores práticas de saúde, isto está errado. A AAP reconhece que a conveniência e acesso a cuidados continuarão a ser de extrema importância. Muitos PAs em São Paulo utilizam médicos sem formação em pediatria, para piorar a situação.

Pediatras são especificamente treinados em questões de saúde infantil. Eles sabem a história da saúde de cada criança, e estão mais bem equipados para cuidar tanto de problemas simples quanto dos complicados. Como os pacientes jovens e seus problemas de saúde se tornam mais complexos, surge a possibilidade de que mesmo uma simples queixa possa estar relacionada a uma doença mais grave, que poderia ser ignorada por alguém que é menos familiarizado com o paciente, de acordo com a AAP.

Enquanto a AAP acredita que o ambulatório (consultório) médico é o padrão ideal de atendimento para pacientes pediátricos, e não recomenda que os pais utilizem os PAs rotineiramente, entende-se que os serviços desses hospitais podem ser utilizados para cuidados agudos ou fora do horário. Se os pais optam por usar um PA para a doença de seus filhos, eles devem perguntar se a clínica tem uma relação formal com o seu pediatra, se a clínica irá se comunicar com o pediatra sobre a visita, e qual é o protocolo para o acompanhamento caso o problema não seja resolvido ou a clínica do pediatra esteja fora do horário de funcionamento. Os pais devem utilizar Pronto Atendimentos que tenham uma relação formal com o pediatra do seu filho. No Hospital Infantil Sabará, só 15% dos pais ou responsáveis dão os nomes dos pediatras.

Nós vemos o problema como uma falha do atendimento médico brasileiro, pois as pessoas preferem resolver tudo no PA e não fazem as visitas de rotina, não existe uma prática preventiva de doenças, e mesmo pacientes com doenças crônicas, como a asma, preferem acompanhar nos PAs, em vez de ter um pediatra com quem possam tirar as dúvidas e ir tateando a melhor opção terapêutica. Quando estiver na sala de espera durante o pico sazonal, pense a respeito disto.

Leia também: Por que escolher um hospital exclusivamente pediátrico?

Fonte: “AAP Principles Concerning Retail-Based Clinics

Atualizado em 6 de junho de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.