PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As suspensões e expulsões escolares
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As suspensões e expulsões escolares

As suspensões e expulsões escolares

18/04/2013
  2303   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Na nossa missão de abordar a saúde infantil, entendemos que saúde não é o oposto de doença, mas tem a ver com o bem-estar da criança e do jovem em diversos aspectos, sejam biológicos (médicos), sociais (educação, lazer, convívio) e emocionais (psicológicos, neurodesenvolvimento). Suspensões e expulsões da escola podem parecer um método eficaz para problemas graves e permanentes no que condiz à disciplina. No entanto, esses métodos, muitas vezes, criam problemas imprevistos, especialmente se eles são aplicados em um ambiente de tolerância zero.

Em uma declaração política, a Academia Americana de Pediatria (AAP) não apoia as políticas de tolerância zero e recomenda que antes da suspensão ou a expulsão do aluno, deve haver uma análise do caso.

A pesquisa demonstrou que os alunos que passam pela experiência de ficarem fora da escola por causa de suspensões ou expulsões são 10 vezes mais propensos a abandonar o ensino médio. Além disso, essas duas atitudes podem colocar o aluno de volta para o ambiente que acarretou os problemas de comportamento.

Se os pais do aluno estiverem no trabalho, pode não haver ninguém em casa para fornecer supervisão, o que torna ainda mais provável que a criança ou o adolescente vá se envolver em um comportamento inadequado ou se associar com indivíduos que podem aumentar as atividades violentas ou ilegais.

Acreditando que uma intervenção precoce é importante para identificar comportamentos que podem levar à suspensão ou à expulsão, a AAP recomenda que o profissional da saúde da Primeira Infância e de problemas de comportamento pré-escolar comece cedo o tratamento para reduzir os fatores de risco no futuro dos alunos. Como médicos de pacientes que necessitam de cuidados primários, os pediatras devem estabelecer a comunicação com a enfermeira da escola ou com o conselheiro.

No Brasil, ainda estamos distantes de uma situação de prevenção como esta, mas, de qualquer forma, para os pais que nos leem e que têm filhos com estes problemas, é sempre bom saber o que é feito em lugares mais desenvolvidos do que o nosso.

Leia também: O comportamento infantil e o pediatra

Fonte: Pediatrics

Atualizado em 26 de abril de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.