PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
8 coisas que os pediatras querem que os pais saibam durante a pandemia de coranavírus
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
8 coisas que os pediatras querem que os pais saibam durante a pandemia de coranavírus

8 coisas que os pediatras querem que os pais saibam durante a pandemia de coranavírus

22/05/2020
  814   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Pediatras em todo o país estão vendo quedas significativas nas consultas durante a pandemia de coronavírus. Além de faltar às consultas, as crianças também estão deixando de receber vacinas. O número de vacinas administradas para doenças como sarampo, caxumba, coqueluche e HPV diminuiu em pelo menos 40% durante a semana de 5 de abril, em comparação com uma semana de fevereiro deste ano, segundo dados da Academia Americana de Pediatria (AAP). Agora está soando o alarme para lembrar aos pais que as visitas anuais do pediatra, bem como visitas de doenças crônicas como asma, neuropatias, cardiopatias ou diabetes não devem ser interrompidas durante a pandemia.

É realmente fundamental que os pais se lembrem de que seus pediatras e subespecialistas em pediatria estão disponíveis e assim como o Sabará Hospital Infantil continua disponíveis para cuidar de crianças, e estamos disponíveis para atender pacientes e, no entanto, sabemos que é um momento assustador para os pais que ficam com medo de nos procurar.

Vejam algumas das questões mais comuns que os pais e mães costumam nos fazer:

  1. As crianças podem ter Covid-19

A maioria das crianças terá um caso muito leve ou assintomático. No entanto, cerca de 5% dos casos haverá crianças que terão casos mais sérios. Os pais precisam estar muito vigilantes com isso à medida que avançamos e mais dados são divulgados sobre como realmente afeta fisicamente as crianças. Eles precisam estar assistindo o que está acontecendo.

  1.  Pediatras aguardam sua ligação

Sempre que você se preocupar com seu filho , por exemplo, se ele estiver: com febre, tossindo, se sentindo mal, agindo de forma diferente mesmo que seja um problema emocional ou demonstrando ansiedade ou depressão é a hora de pegar o telefone e ligar para seu pediatra ou para nosso serviço de teleorientação.

Os pediatras estão de plantão mesmo à noite, portanto, mesmo que seja tarde e você esteja com medo ou preocupado, ligue para o pediatra. Eles o aconselharão sobre se realmente você precisa ir à emergência ou se pode esperar até a manhã ou você pode até fazer uma visita virtual, mesmo à noite. A dica é que, se os pais estão preocupados, eles não devem esperar.

  1. Agora não é hora de faltar às visitas de rotina

É fundamental que os pais percebam que precisamos fazer as consultas e os exames de rotina. Queremos estar de olho nessas crianças porque sabemos que há muita coisa acontecendo e ainda surgem problemas regulares, tenhamos uma pandemia ou não. Fazemos muito mais [em uma visita] do que apenas garantir que eles sejam fisicamente saudáveis ​​e é realmente importante que as crianças sejam vistas e ouvidas.

As crianças com problemas de saúde crônicos, como asma e diabetes, bem como as crianças com necessidades especiais, também devem ter esses acompanhamentos, porque essas doenças podem ser exacerbadas pelo coronavírus.

  1. Agora não é hora de pular vacinas, imunizações

Estamos muito preocupados com as vacinas. É muito crítico que as crianças tomem suas vacinas e mantemos essas taxas de vacinação altas para que não vejamos uma crise dentro de uma crise ou, quando o coranavírus se for, não vejamos uma crise de outro surto de doença evitável por vacina. Lembre-se que tivemos nos últimos anos surtos de sarampo e de febre amarela.

5. Os pediatras estão protegendo seus consultórios para se protegerem contra o coronavírus

Pediatras e enfermeiros e todos os profissionais estão usando máscaras, luvas e roupa especial, se necessário. Todo mundo está fazendo o possível para não apenas proteger os pacientes, mas também para proteger os profissionais e a equipe também. No caso do Sabará Hospital Infantil, nossos Centros de Excelência estão preparados para isso. Além da teleconsulta.

6. Pediatras estão preocupados com a saúde mental das crianças

Suas rotinas foram interrompidas e suas vidas foram interrompidas. Então a ansiedade, o medo e a depressão podem estar lá porque, principalmente, os adolescentes estão perdendo os grandes eventos de suas vidas. Crianças pequenas podem ter suas rotinas viradas de cabeça para baixo. Pode haver questões financeiras e emocionais com as quais os pais estão tentando lidar, que também podem causar mais estresse nas crianças.

7. Existem maneiras de conversar com seus filhos sobre o coranavírus

Para crianças mais novas, é realmente perguntar a elas o que elas sabem e com o que têm medo e, em seguida, tranquilizá-las de que você fará tudo o que puder para garantir que elas fiquem seguras. Ou, se tiverem idade suficiente para usar uma máscara, não tocarem o rosto, faça com que isso ajude outras pessoas fazendo isso.

Afinal as cenas mostradas nas televisões não são agradáveis e se puder evitar que as crianças vejam é a melhor política. Mas se elas viram algo na TV sobre o assunto e é interessante comentar e responder com sinceridade procurando falar que todos estão procurando combater o vírus da melhor forma, e por isso é necessário fazer o isolamento, usar máscaras e tomar estas medidas.

Fonte: https://www.goodmorningamerica.com/

Saiba mais: A pandemia da Covid-19 e os pediatras que não estão na linha de frente

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade