PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A importância do engatinhar
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A importância do engatinhar

A importância do engatinhar

24/02/2015
  18351   
  6
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

engatinhar

Meu filho não engatinhou, andou direto! É importante que meu filho engatinhe? Por que ele tem que engatinhar? Ele é preguiçoso, devo estimulá-lo? Essas e outras questões semelhantes são algumas com as quais me deparo ao fazer avaliações psicomotoras ou ao conversar com mães de recém-nascidos. Mas o que vem a ser exatamente o engatinhar e qual sua real importância?

O movimento do engatinhar faz parte do desenvolvimento neuromotor de toda criança, isto é, capacidade do bebê utilizar os estímulos que recebe do meio ambiente a partir de seus sentidos. Ele é, nada mais nada menos, do que um deslocamento corporal e representa, dentro do desenvolvimento psicomotor, a fase mais importante do desenvolvimento da criança. Desde os primeiros momentos de vida a criança tenta explorar o mundo à sua volta. Primeiro com os olhos, depois com as mãos e pés e aos poucos através dos deslocamentos. Num primeiro momento ela começa a rolar e essa tentativa de rolar de um lado para o outro já começa a processar na criança os princípios de uma orientação espacial. Aos poucos a criança percebe que pode ir muito além desse movimento e começa a explorar o espaço, utilizando o rastejar e o engatinhar. O ato de engatinhar, na verdade, não se limita apenas ao andar em quatro apoios. Ele engloba todo ato de deslocamento, seja ele com o bumbum, com a barriga no chão, arrastando as pernas ou até mesmo de lado.

O engatinhar é importante também para o desenvolvimento físico da criança, como o alinhamento da coluna e o fortalecimentos dos músculos. Além disso possuí um importância fundamental no desenvolvimento e amadurecimento psicológico. É importante ficar atento aos momentos em que a criança engatinha para perto de algo ou alguém. Nesse momento ela está “pedindo informações”, seja do meio ambiente, seja da pessoa. Portanto, ficar atento e responder à essas questões faz também com que haja um amadurecimento e crescimento da criança.

E como saber se a criança está com o desenvolvimento neuromotor compatível com a idade cronológica? Para se ter uma ideia, por volta de 10 meses aproximadamente as crianças já devem estar engatinhando. Abaixo segue um quadro para que possamos ter uma comparação. Devemos levar em consideração que esse quadro representa uma média e que cada criança amadurece no seu tempo. É importante respeitar a individualidade de cada uma.

E como estimular as crianças? Lugar de criança é no chão e não no colo, no berço ou no carrinho o tempo todo. Criança precisa de espaço, precisa de liberdade para explorar e descobrir. Portanto, a melhor maneira é colocar nossos pequenos no chão e deixar que se soltem. O ideal é colocar vários brinquedos coloridos espalhados em cima de um tapete de EVA. Esse tipo de tapete faz com que a criança sinta-se mais confortável e também mais segura pois não escorrega e não machuca no caso de um tombo. Desde bebes devemos coloca-los no chão. Os brinquedos são a motivação e estímulo necessário para que eles rolem, sentem, engatinhem, levantem e futuramente andem. Devemos ficar atentos ao tipo de brinquedo. Quando pequenos esses brinquedos devem ser de pelúcia (de preferência os antialérgicos), macios, com músicas suaves. Aos poucos podemos inserir outros brinquedos de consistência mais dura e com barulhos mais fortes. Lembrar sempre que estimular é diferente de estressar! Criança também precisa de colo, carinho, aconchego, silêncio e de seu berço para descansar. Tudo deve ser dosado da melhor maneira possível sempre.

 

maria helena

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Maria Nasareth da Silva Melo disse:

    Que importância do gatinhar

  • Iamara lopea disse:

    Infelizmente devido a falta de conhecimento ou talvez imediatismo meu devido a vida complicada emocionalmente c pai dos meus filhos, somente o mais velho engatinhou, o caçula devido ter nascido com 5 meses ficou meses internado e qnd sai o protegido de tudo e TDs e ele não engatinhou, foi direto p andador. E u!a pena pois vejp hoje isso em seu cognitivo e a falta de instimulo próprio de ir em busca de coisas maiores através dos estúdos

  • Cléa Regina Pereira dos Santos disse:

    Muito interessante ter esse conhecimento, pois até o dia de hoje eu não tinha percebido a importância do engatinhar, tão necessário para o desenvolvimento da criança. Vou imprimir esse material para melhor entender e fixar esse conhecimento.

  • Meire Araújo. disse:

    Gratidão por tão valiosas dicas.

  • Tâmia Suellem Tavares Pires dos Santos disse:

    Boa noite,
    Muito interessante e valorosa essa informação, tenho dois filhos,um de 11 anos e o outro de 3 anos, ambos engatinharam pouquíssimas vezes, eram muito gordos, e eu não imaginava o quão importante era esse estímulo para eles.
    Hoje percebo que eles, tem algumas dificuldades tipo o de 11 anos é meio inseguro e ansioso, já o de 3 anos é meio distraído e as vezes quer engatinhar com essa idade… Isso tem a ver com que eles não tiveram estímulos no tempo certo para passar por esse processo.

  • Rozilene disse:

    Muito importante ter esse conhecimento.
    De agora em diante, vou deixar os meus alunos mais tempo no chão, incentivar o engatinhamento.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.