PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A preocupação com a deficiência de vitamina D
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A preocupação com a deficiência de vitamina D

A preocupação com a deficiência de vitamina D

20/11/2012
  495   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Conforme estudo, a ausência da substância no organismo está associada à gravidade da doença em crianças

vitamina D

A vitamina D é a nova mania dos médicos e é usada (pelo menos em São Paulo), desde que me formei, como suplemento vitamínico em crianças até 2 anos. Antigamente, até nossos avós tomavam óleo de fígado de bacalhau.

Essa vitamina é essencial para a saúde dos ossos e para a função cardiovascular e imunológica, bem como para adultos criticamente doentes. A deficiência da vitamina D está associada com algumas doenças, mas a ausência dela no organismo, a ponto de impactar na saúde das crianças criticamente doentes, ainda é desconhecida.

No estudo, Deficiência de vitamina D em crianças gravemente doentes, os pesquisadores testaram os 25-hidroxi níveis de vitamina D de 511 crianças internadas na unidade de terapia intensiva pediátrica sobre um período de 12 meses.

Os resultados indicaram que 40% das crianças tinham deficiência de vitamina D, que é uma maior prevalência em comparação a população, em geral, pediátrica. Tal como acontece com os adultos, os níveis mais baixos de vitamina D estavam associados com maior gravidade às doença em crianças internadas na unidade de terapia intensiva.

As crianças previamente saudáveis ​​apresentaram níveis mais baixos de vitamina D que aquelas com doenças crônicas subjacentes, provavelmente, porque os pais delas, com doenças crônicas, foram mais propensos a dar aos seus filhos suplementos vitamínicos.

Contrariamente às expectativas, os pesquisadores não constataram que as crianças com infecções tinham menor nível de vitamina D que outras criticamente doentes, com exceção daquelas que tiveram choque séptico.

Os autores do estudo recomendam a triagem de crianças gravemente doentes com fatores de risco para deficiência de vitamina D e, assim, fazer uma prevenção.

Para as crianças normais, recomenda-se o uso de vitamina D, de acordo com a orientação do pediatra. Eventualmente, o especialista medirá o nível dessa substância no sangue, já que o uso de protetor solar e as medidas contra o banho de sol é um fator de risco para deficiência da vitamina D.

Por José Luiz Setúbal

Fonte: Vitamin D Deficiency in Critically Ill Children (in the September 2012 issue of Pediatrics. Published online Aug. 6)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Vanessa Tinto disse:

    Meu filho completou 1 ano agora em 01/11/2012 e da noite para o dia parou de comer alimentos…comida…ele adorava arroz, caldinho de feijão e carne moida..hoje cospe a comida, derruba no chão e não tem cristo que faça ele comer…só quer o peito, e bolacha de água a sal…não sei mais o que fazer…ele até come algumas frutas, mas não é todo dia e nem toda semana…o leite industrializado ele não aceita, e só como o que quer, qdo quer e muito pouco…hoje ele tem 83cm e pesa 1,300. Será que alguém pode me ajudar?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Vanessa. Procure incentivá-lo oferecendo outras formas de apresentação da comida, mas não insista. Caso fique difícil de convencê-lo, procure a ajuda do seu pediatra. Abraços! 🙂

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade