PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Vitamina D: precisamos suplementá-la?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Vitamina D: precisamos suplementá-la?

Vitamina D: precisamos suplementá-la?

29/05/2012
  6879   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Hoje em dia a vitamina da moda é a D. Talvez você já tenha ouvido sobre os benefícios dessa vitamina, mas o que será que é tudo isso? Nos Estados Unidos, há uma verdadeira febre sobre as vantagens dela, portanto, é interessante ver este artigo da Sociedade Francesa de Pediatria:

“O objetivo do presente artigo é de mostrar a posição da Comissão de Nutrição da Sociedade Francesa de Pediatria, ao resumir dados, recentemente publicados, sobre a vitamina D. Foi analisada a presença dela em bebês que mamam, crianças e adolescentes, ou seja, sobre o metabolismo, efeitos fisiológicos e exigências para cada faixa etária. Além disso, o estudo serviu para recomendações sobre suplementação, após uma análise criteriosa de elementos que serviram como prova.

A evidência científica indica que cálcio e vitamina D desempenham papéis importantes na saúde óssea. Mas o fato, limitado a estudos observacionais, no entanto, não mostra outros benefícios para a vitamina D. Uma investigação mais criteriosa deve continuar a ser feita, especialmente estudos interventivos.

Na ausência de qualquer risco subjacente de deficiência de vitamina D, as recomendações são as seguintes:

1- Gestantes: uma dose única de 80.000 a 100.000 IU, no início do sétimo mês de gravidez;

2- Bebês que ainda mamam: 1000 a 1200 IU/dia;

3- Crianças com menos de 18 meses de idade, que recebem o leite enriquecido com vitamina D: uma dose diária adicional de 600 a 800 IU;

4- Crianças com menos de 18 meses de idade, que não recebem leite enriquecido com vitamina D ou uma dose diária dela: de 1000 a 1200 IU;

5 – Pequenos com 18 meses a 5 anos de idade: 2 doses de 80.000 a 100.000 IU, durante todo o inverno;

Na presença de um risco subjacente de deficiência de vitamina D  (pele escura, falta de exposição da pele à radiação solar, doença de pele, má absorção intestinal, colestase, insuficiência renal, síndrome nefrótica, drogas [rifampicina; tratamento antiepilético, fenobarbital, fenitoína], obesidade, dieta vegana), pode-se iniciar a suplementação de vitamina D no inverno em crianças de 5 a 10 anos de idade, bem como mantê-la a cada 3 meses durante o ano inteiro, em crianças de 1 a 10 anos e em adolescentes”.

Leia também: A importância da vitamina D

Como se vê, ainda faltam evidências que a tornem a solução para todos os males. Use-a conforme a orientação do seu pediatra, que pode variar muito de lugar para outro, afinal, moramos em um país tropical!

Fonte: “Vitamin D: Still a topical matter in children and adolescents. A position paper by the Committee on Nutrition of the French Society of Paediatrics.”
Vidailhet, M.; Mallet, E.; Bocquet, A.; Bresson, J.L.; Briend, A.; Chouraqui, J.P.; Darmaun, D.; Dupont, C.; Frelut, M.L.; Ghisolfi, J.; Girardet, J.P.; Goulet, O.; Hankard, R.; Rieu, D.; Simeoni, U.; Turck, D.; Comité de nutrition de la Société française de pédiatrie

Atualizado em 12 de março de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.