11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada
aditivos-alimentares

No Brasil atual estamos discutindo a nova legislação do uso de defensivos agrícolas e suas consequências para o ambiente e para os seres vivos. Nos EUA, o debate é sobre os aditivos colocados nos alimentos.

Academia Americana de Pediatria diz que alguns aditivos alimentares comuns podem causar riscos à saúde das crianças. Um novo relatório apela a requisitos mais rigorosos de segurança alimentar federal e descreve maneiras pelas quais as famílias podem limitar a exposição a produtos químicos usados ​​para processar, embalar e preservar alimentos que não são adequadamente comprovados

Com evidências crescentes de que alguns produtos químicos encontrados em corantes, conservantes e materiais de embalagem podem prejudicar a saúde das crianças, uma nova declaração da Academia Americana de Pediatria (AAP) exige reformas urgentemente necessárias para o processo regulatório de aditivos nos EUA.

De acordo com a declaração de publicada na revista Pediatrics de agosto de 2018, “Aditivos Alimentares e Saúde da Criança“, alguns produtos químicos atualmente permitidos podem ser melhor evitados, especialmente para crianças.

Um número crescente de estudos sugerem que alguns aditivos alimentares podem interferir nos hormônios, crescimento e desenvolvimento de uma criança, de acordo com a declaração de política e o relatório técnico que a acompanha. Alguns também podem aumentar o risco de obesidade infantil, cujas taxas triplicaram desde a década de 1970.

Os Estados Unidos permitem o uso de mais de 10.000 aditivos para preservar, embalar ou modificar o sabor, a aparência, a textura ou os nutrientes dos alimentos.

Muitos foram aprovados para aprovação durante a década de 1950, e aproximadamente 1.000 aditivos são usados ​​sob um processo de designação “Geralmente reconhecido como seguro” que não requer aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA.

Há fraquezas críticas no atual processo regulatório de aditivos alimentares, que não faz o suficiente para garantir que todos os produtos químicos adicionados aos alimentos sejam seguros o suficiente para fazer parte da dieta de uma família, segundo o Conselho de Saúde Ambiental da AAP.

Como uma instituição de pediatras, estamos especialmente preocupados com lacunas significativas nos dados sobre os efeitos na saúde de muitos desses produtos químicos em bebês e crianças.

Alguns aditivos são colocados diretamente nos alimentos, enquanto os aditivos “indiretos” podem incluir produtos químicos de plástico, colas, corantes, papel, papelão e diferentes tipos de revestimentos usados ​​para processamento e embalagem.

Os aditivos mais preocupantes, baseados em evidências crescentes de pesquisas citadas no relatório, incluem:

1- Bisfenóis 

Como o BPA, usados ​​para endurecer recipientes de plástico e latas de metal, podem agir como estrogênio no corpo e alterar o tempo da puberdade, diminuir a fertilidade, aumentar a gordura corporal e afetar os sistemas nervoso e imunológico. O BPA agora é proibido em mamadeiras e copos de canudinho.

2- Os ftalatos

Um grupo de compostos químicos usados para deixar o plástico mais maleável. Tal grupo de compostos é tido como cancerígeno, podendo causar danos ao fígado, rins e pulmão, além de anormalidade no sistema reprodutivo.

3- Químicos perfluoroalquílicos (PFCs)

Usados ​​em embalagens de alimentos à base de papel e papelão, podem reduzir a imunidade, o peso ao nascer e a fertilidade. A pesquisa também mostra que os PFCs podem afetar o sistema da tireoide, fundamentais para o metabolismo, a digestão, o controle muscular, o desenvolvimento do cérebro e a resistência óssea.

4- Perclorato

Adicionado a algumas embalagens de alimentos secos para controlar a eletricidade estática, é conhecido por interromper a função da tireoide, o desenvolvimento e o crescimento do cérebro no início da vida.

5- Corantes alimentares artificiais

Comuns em produtos alimentícios infantis, podem estar associados a sintomas de transtorno de déficit de atenção / hiperatividade (TDAH) agravados Estudos citados no relatório constataram que um número significativo de crianças que cortaram os corantes alimentares sintéticos da dieta mostrou diminuição dos sintomas de TDAH.

6- Nitratos / nitritos 

São usados ​​para preservar alimentos e melhorar a cor, especialmente em carnes curadas e processadas. Esses produtos químicos podem interferir na produção de hormônios tireoidianos e na capacidade do sangue de fornecer oxigênio ao corpo. Nitratos e nitritos também têm sido associados a cânceres gastrointestinais e do sistema nervoso.

Os efeitos potencialmente nocivos dos aditivos alimentares são uma preocupação especial para as crianças, de acordo com a AAP.

As crianças são mais sensíveis às exposições químicas porque comem e bebem mais, em relação ao peso corporal, do que os adultos, e ainda estão crescendo e se desenvolvendo.

Saiba mais sobre isso no blog do Hospital Infantil Sabará:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: July 2018 From the AAP COUNCIL ON ENVIRONMENTAL HEALTH Technical Report

Food Additives and Child Health

Leonardo Trasande, Rachel M. Shaffer, Sheela Sathyanarayana,

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Avatar
Dr. José Luiz Setúbal
Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas