PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Amamentação pode reduzir comportamentos hiperativos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Amamentação pode reduzir comportamentos hiperativos

Amamentação pode reduzir comportamentos hiperativos

12/05/2017
  542   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Benefícios da amamentação são sempre fatores a serem divulgados, como incentivo a mais para a mãe amamentar seu filho.

Os benefícios médicos da amamentação, tanto para a mãe como para a criança, estão bem documentados na pesquisa. No entanto, o impacto da amamentação sobre as habilidades cognitivas gerais tem sido um tema de debate.

Um estudo publicado na edição de abril de 2017 da revista Pediatrics, “Breastfeeding, Cognitive and Noncognitive Development in Early Childhood: A Population Study” incluiu cerca de 8 mil famílias irlandesas.

Estudos anteriores já encontram que a amamentação por um mínimo de 6 meses leva as crianças a terem uma melhor resolução de problemas aos 3 anos de idade. Os autores deste novo estudo descobriram, porém, que o efeito não foi melhor com uma diferença estatisticamente significativa. Além disso, não foram encontrados efeitos estatisticamente significativos na capacidade cognitiva aos 5 anos de idade. No entanto, os autores do estudo notaram que as crianças que foram amamentadas inteiramente durante 6 meses ou mais tiveram escores mais baixos para hiperatividade, mas somente aos 3 anos.

Os autores concluem que seus resultados sugerem que a duração mais longa da amamentação pode ajudar a reduzir os comportamentos hiperativos para crianças que apresentam níveis leves a moderados no curto prazo, mas que esses benefícios não são mantidos, mesmo a médio prazo. Como a hiperatividade é uma das coisas que preocupam os pais na atualidade, talvez seja um bom motivo para estimular as mães a amamentar exclusivamente até os seis meses recomendados.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics -April 2017,

Breastfeeding, Cognitive and Noncognitive Development in Early Childhood: A Population Study

Lisa-Christine Girard, Orla Doyle, Richard E. Tremblay

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade