PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Bebês prematuros e possíveis complicações
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Bebês prematuros e possíveis complicações

Bebês prematuros e possíveis complicações

08/02/2016
  967   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

bebe-prematuro

Hoje em dia é muito comum bebês com prematuridade extremas sobreviverem. Não foi sempre assim, quando estudava pediatria, há 30 anos, poucos recém-nascidos com menos de 1,5 kg sobreviviam.

 

Com os avanços dos equipamentos de UTI desenvolvidos para crianças pequenas e um arsenal de droga, além de um melhor conhecimento da fisiologia destes bebês, a situação mudou.

Como se saíram estes bebês nascidos com menos de 1 kg, com prematuridade extrema em testes cognitivos e acadêmicos quando atingiram a adolescência?  Estas crianças foram mais fortemente influenciadas por complicações médicas experimentadas com recém-nascidos do que os bebes normais.

O estudo, ” Biological and Social Influences on Outcomes of Extreme-Preterm/Low-Birth Weight Adolescents”, analisou 298 sobreviventes nascidos com menos de 28 semanas de gestação ou com peso inferior a 1.000 gramas em Victoria, Austrália, entre 1991 e 1992, junto com um grupo de 262 crianças normais em peso ao nascer.

A capacidade cognitiva foi medida aos 2, 5, 8 e 18 anos, e o desempenho acadêmico foi avaliado em idades entre 8 e 18. Estudos anteriores mostraram que os eventos biológicos, tais como complicações decorrentes no berçário, têm um efeito de diminuição nos escores cognitivos. Mas os pesquisadores australianos descobriram associações grandes e duradouras com as pontuações cognitivas das crianças e progresso acadêmico.

As diferenças entre os grupos pré-termo e de controle dos escores cognitivos e acadêmicos permaneceu relativamente constante ao longo do tempo. As variáveis ​​biológicas mais associadas com piores resultados no grupo de prematuros extremos foram hemorragia intraventricular e corticoterapia pós-natal por problemas respiratórios graves.

Das variáveis ​​sociais, a criança sendo criada em um lar multilíngue foi desvantajoso, com classe social e escolaridade materna se tornando mais importante para os resultados posteriores. A força das associações biológicas na maior parte seja igual ou superior às posições em risco sociais, mesmo no final da adolescência.

As conclusões, ao contrário das expectativas, é que várias exposições biológicas perinatais tiveram associações adversas grandes e persistentes com resultados cognitivos e acadêmicos entre os extremamente prematuros sobreviventes. Como esperado, algumas variáveis ​​sociais assumiram uma importância crescente nos últimos anos, mas a maioria não diminuiu ou excedeu as associações biológicas importantes.

Apesar da melhora na sobrevida, os resultados das consequências persistem por muitos anos. Vamos acompanhar a melhora das crianças da atualidade só daqui a 15 a 20 anos.

Fonte: Pediatrics, November 2015.

Biological and Social Influences on Outcomes of Extreme-Preterm/Low-Birth Weight Adolescents

Lex W. Doyle, Jeanie L.Y. Cheong, Alice Burnett, Gehan Roberts, Katherine J. Lee, Peter J. Anderson, for the Victorian Infant Collaborative Study Group

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade