PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Bronzeamento artificial e risco de câncer
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Bronzeamento artificial e risco de câncer

Bronzeamento artificial e risco de câncer

30/07/2014
  368   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O bronzeamento artificial por irradiação UV é proibido no Brasil desde 2009, mas volta e meia vemos alguma notícia nos jornais. Esta prática ficou popular desde a década de 70, especialmente entre adolescentes e jovens adultos. Como resultado, as taxas de incidência de carcinoma basocelular precoce continuam a subir, especialmente em mulheres.

Em um artigo da Pediatrics, publicado em junho de 2014, pesquisadores estudaram dados de 657 pacientes diagnosticados com carcinoma basocelular (CBC) em comparação com 452 pacientes com 50 anos de idade ou mais jovens, que participaram do New Hampshire: Estudo do Câncer de Pele. Foram coletadas informações sobre o tipo de bronzeamento artificial utilizado (lâmpadas solares, camas de bronzeamento, ou cabines), e a proporção de tempo passado ao ar livre na infância.

Os participantes com CBC em estagio inicial eram os que tiveram alguma queimadura solar, ao invés de um bronzeado adquirido durante a primeira hora de exposição ao sol no verão, em comparação aos demais pesquisados. A maior proporção de pacientes com CBC em estágio inicial informou ter realizado bronzeamento artificial com lâmpada de bronzeamento. Em cerca de 40% dos casos, CBCs foram localizados em diferentes partes da cabeça e pescoço, além do tronco e a associação com bronzeamento artificial foi mais forte para os tumores que ocorrem nesses locais.

Apesar de serem pensados como uma forma “segura” de se bronzear, produtos de bronzeamento “indoor” podem produzir de 10 a 15 vezes a radiação UV (tanto quanto o sol do meio-dia) a e exposição precoce ao bronzeamento artificial foi associada a uma maior probabilidade de desenvolver CBC em uma idade jovem, de acordo com o estudo.

Tanto os autores do estudo quanto alguns médicos (incluindo a Academia Americana de Pediatria), recomendam que menores de idade não realizem procedimentos de bronzeamento artificial. A prática deveria ainda ser evitada até mesmo por adultos.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Article – Pediatrics (jul 2014)
Early-Onset Basal Cell Carcinoma and Indoor Tanning: A Population-Based Study

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade