PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como nascem as flores?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como nascem as flores?

Como nascem as flores?

30/11/2015
  5821   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

como-nascem-as-flores

As flores, assim como todas as plantas, nascem, crescem, se reproduzem e morrem. Esse é o jeitinho que natureza arrumou para a vida estar sempre sendo renovada na Terra.


Você já deve ter percebido que as florzinhas antes de terem pétalas bonitas e coloridas, ficam fechadinhas, naquilo que a gente chama de botão. Isso porque elas também são seres vivos, assim como você, papai e mamãe, os amiguinhos da escola e todos os bichinhos que passeiam pelo nosso planetinha azul. A gente não consegue ver, mas as plantinhas, que podem ser verdes, como a maioria das folhas, roxas, amarelas, vermelhas ou coloridas como as flores, também respiram, fazendo o que chamamos de fotossíntese, ajudando a deixar o ar que a gente respira mais limpinho. E, como todos os outros seres vivos, a plantas também nascem, crescem, se reproduzem e morrem, dando lugar a outras plantinhas que cumprirão o mesmo ciclo também. Se você reparar bem, há plantinhas por todos os lugares: as terrestres, que são aquelas que nascem no solo; as aquáticas, que são as que vivem na água; e as aéreas, aquelas que ficam penduradas em penhascos, rochas, nos galhos de outras plantas e até nas cercas e muros das casas.

Algumas têm o ciclo de vida mais curtinho, outras, como algumas árvores, são capazes de viver centenas de anos, de acordo com a sua espécie. Esse foi o jeitinho que a natureza arrumou para caber todo mundo no planeta, havendo sempre uma renovação. Por isso para que uma possa nascer é preciso que o ciclo da outra acabe, caso contrário a Terra ia ficar tão cheia de plantas, animais e pessoas que não haveria mais espaço. A planta nasce igual às pessoas e os animais, através de uma sementinha, só que essa sementinha a gente consegue ver e até plantar no chão para observar ela nascer, crescer e finalizar seu ciclo. Uma experiência bem legal é colocar um carocinho de feijão em um copinho de plástico com algodão levemente umedecido em água. Aos poucos você vai ver um pedacinho de caule branco nascendo do algodão: ele vai procurar a luz e o ar, indispensáveis para o desenvolvimento da vida.

A água, outro elemento indispensável para a sobrevivência de qualquer ser vivo, você vai colocando devagarinho, dia a dia, para ajudar o novo pé de feijão a nascer e crescer. Em alguns dias o caule branquinho já estará maior com algumas folhinhas bem verdes saindo da pontinha, logo outras parecerão mais abaixo e ele ficará ainda maior. Em pouco tempo você vai perceber que dentro das folhinhas da ponta aparece uma bolinha, que já é o grão de feijão se desenvolvendo. Ele ficará forte e bem parecido com aquele que você planou no algodãozinho, como se estivesse olhando para cima em busca do céu. Mas como o ciclo dele é curtinho, depois ele vai ficar murchinho, enfraquecendo, até o tempo natural dele acabar – dando vez a outra sementinha que vai nascer. E assim nosso planeta vai sendo povoado por feijões, que são os grãos, legumes, verduras, flores, folhas, árvores e essa grandiosidade toda de vida que vemos e temos que ajudar a preservar, para que cada uma consiga completar seu ciclo natural da melhor forma possível

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade