PESQUISAR

Terapias MAC: Como a medicina complementar e alternativa difere da medicina tradicional
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Terapias MAC: Como a medicina complementar e alternativa difere da medicina tradicional

Terapias MAC: Como a medicina complementar e alternativa difere da medicina tradicional

21/08/2018
  103   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A Medicina Complementar e Alternativa (MAC) é frequentemente distinguida por seus métodos holísticos, o que significa que o médico ou profissional trata a pessoa “inteira” e não apenas a doença ou condição.

Com as terapias MAC, muitos praticantes também lidam com as necessidades emocionais e espirituais dos pacientes. Essa abordagem de “alto toque” difere da prática de “alta tecnologia” da medicina tradicional, que tende a se concentrar no lado físico de uma doença.

A MAC está começando a entrar nos principais hospitais e consultórios médicos. Novos centros de medicina integrativa oferecem uma mistura de tratamentos tradicionais e complementares.

Lá, você pode receber uma receita para medicação para a dor (como você pode obter de um médico tradicional) e massagem terapêutica para tratar um problema crônico nas costas. Esses centros geralmente empregam médicos e especialistas certificados ou licenciados nas várias terapias de MAC.

Apesar do crescimento do campo, abordagens complementares de saúde geralmente não são cobertas pelos seguros médicos e até pouco tempo pelo SUS.

Isto é em grande parte porque poucos estudos científicos foram feitos para provar se os tratamentos são eficazes (ao contrário da medicina tradicional, que depende fortemente de estudos). Em vez disso, as maiorias das terapias MAC baseiam-se em práticas de longa data e histórias de sucesso histórico.

E quais são os riscos de fazer este tipo de terapia? A falta de estudos científicos significa que alguns problemas potenciais associados às terapias MAC podem ser difíceis de identificar.

Além disso, quase todos os estudos realizados envolveram adultos como sujeitos de teste; há pouca pesquisa sobre os efeitos da MAC nas crianças. Embora abordagens como oração, massagem meditação e ioga sejam geralmente consideradas complementos seguros para o tratamento médico regular, algumas terapias – particularmente remédios à base de ervas e outros suplementos dietéticos – podem ter riscos.

Ao contrário dos medicamentos prescritos e vendidos sem prescrição médica os suplementos alimentares não são rigorosamente regulamentados.

Eles não enfrentam testes extensivos antes de serem comercializados e não precisam atender aos padrões de qualidade. Isso significa que quando você compra um suplemento de ervas como o Ginseng, você pode não saber o que está recebendo: A quantidade do ingrediente pode ser maior ou menor do que a indicada no rótulo; a erva pode não ser a espécie de planta certa; ou o suplemento pode estar contaminado com outras ervas, pesticidas, metais ou outros ingredientes como medicamentos prescritos.

“Natural” não é igual a “seguro” ou “saudável”, e muitos pais não percebem que alguns suplementos podem realmente causar problemas de saúde para seus filhos. Por exemplo, certos suplementos de ervas podem causar pressão alta, danos ao fígado ou reações alérgicas. Converse com seu médico antes de dar ao seu filho qualquer suplemento dietético.

Os pais também podem dar aos filhos muito mais erva do que o recomendado, achando que, por ser natural, doses mais altas não vão doer. Mas muitas plantas contêm substâncias químicas potentes; aproximadamente 25% de todos os medicamentos prescritos são derivados de plantas.

Escolher um praticante confiável pode representar outro problema. Embora muitos estados tenham conselhos de licenciamento para especialistas em acupuntura ou massagem, por exemplo, não há nenhuma organização nos Brasil que monitore prestadores de cuidados alternativos ou estabeleça padrões de tratamento.

Basicamente, quase qualquer um pode reivindicar ser um praticante, se ele ou ela tem algum treinamento. Infelizmente esta área é propensa ao charlatanismo, seja pela pouca evidência científica seja pela falta de regulamentação e controle.

Talvez o maior risco, no entanto, seja o potencial para as pessoas atrasarem ou interromperem o tratamento médico tradicional em favor de uma terapia alternativa.

Doenças como diabetes e câncer requerem o cuidado de um médico. Confiar inteiramente em terapias alternativas para quaisquer condições crônicas ou agudas graves pode comprometer a saúde de uma criança.

Muitos pais recorrem a uma xícara de chá de camomila, mel ou gengibre como forma de aliviar os sintomas da gripe ou do desconforto no estômago.

Crianças ansiosas podem aprender a relaxar com a ajuda da meditação ou yoga. Algumas terapias de MAC podem ser úteis para uma criança quando usadas para complementar os cuidados tradicionais.

Se você quiser tentar MAC para seu filho, converse com um médico de confiança para se certificar de que é seguro e não entrará em conflito com qualquer tratamento tradicional que seu filho receba. O seu médico também pode fornecer informações sobre as opções de tratamento e talvez recomendar um profissional respeitável.

Saiba mais sobre este assunto em artigos já publicados no blog do Hospital Infantil Sabará:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para os cuidados médicos e os conselhos do seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740)Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP.Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade