PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como os pássaros voam?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como os pássaros voam?

Como os pássaros voam?

23/06/2016
  6744   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Descubra o que está por trás da habilidade de voo dos pássaros.

 

Você já se perguntou como os pássaros voam? Com certeza, muita gente já os viu sobrevoando cidades ou montanhas e fez essa pergunta a si mesmo. Quem não gostaria de poder enxergar a cidade pequena e respirar o ar dos céus? Para responder a essa pergunta, precisamos levar em conta os milhões de anos de evolução dos animais. Dentre todas as habilidades desenvolvidas pelos animais, essa se limita as aves, com estruturas que as tornam diferentes dos outros animais e permitem a gloriosa capacidade de voar.

 

Como é que as aves voam?

 

Ossos

Uma das estruturas diz respeito aos ossos, que, no caso das aves, levam o nome de ossos pneumáticos, que têm a mesma resistência se compararmos aos ossos encontrados em outras espécies de animais, mas não são maciços. Isso os torna animais leves em relação aos mamíferos, o que alivia na sustentação do corpo. Outra característica que contribui para seu voo são suas penas, que são atributos exclusivos das aves. Quem pensava que as penas existiam apenas para aquecer a confortar as aves, se enganou. Na verdade, as penas são muito mais fortes do que parecem, sendo ao mesmo tempo leves e aerodinâmicas.

 

Penas

Existem diferentes tipos de penas, com funções distintas dependendo da ave: as penas de contorno, por exemplo, ajudam no voo e confortam o pelo das aves já adultas. As plumas, que são aquelas penas mais curtinhas e delicadas, estão presentes abaixo das penas de contorno, em filhotes. As plumas conservam o calor do corpo das aves e as semiplumas, além disso, também aumentam a característica da flexibilidade das penas de contorno. No caso das aves que conseguem percorrer distâncias maiores, ou seja, aquelas que migram, suas penas são mais alongadas e possibilitam um bater de asas mais lento e muito menos cansativo. As aves que voam com mais rapidez, como os gaviões ou o beija-flor, por exemplo, possuem asas um pouco mais encurtadas e, por esse motivo, conseguem voar com mais agilidade.

 

Órgãos que auxiliam no voo

Basta relacionar a ave ao nosso avião. As aves que têm asas mais longas sabem controlar melhor os altos e baixos da decolagem e do pouso, assim como um piloto de avião mantém o equilíbrio ao fazer os flaps. Sua musculatura peitoral também é própria das aves, permitindo o voo constante. Em comparação com o ser humano, por exemplo, as aves têm a musculatura peitoral cerca de dez vezes mais resistente.

 

Basicamente, todo o seu sistema respiratório – e circulatório – possibilitam um maior desempenho durante o voo, uma vez que seu metabolismo é eficaz e distribui as energias de forma inteligente. Caso contrário, as aves não aguentariam mais do que alguns minutos de voo e desmaiariam por exaustão. Seus pulmões também são diferentes em comparação com outros animais, já que elas contam com “sacos aéreos”, estruturas que potencializam a troca de ar e diminuem a densidade do corpo durante o voo. Esses “sacos” também permitem que seu sistema circulatório seja adaptado, operando mesmo em altas temperaturas.

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade