PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Condições cardíacas em adolescentes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Condições cardíacas em adolescentes

Condições cardíacas em adolescentes

05/10/2015
  6525   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Medical exam

Os adolescentes podem, frequentemente, sentir dor no peito. No entanto, raramente o sintoma está relacionado com o coração. Assim mesmo essas reclamações devem ser levadas ao seu pediatra que irá diagnosticar o problema por meio de exames.

Deve-se ficar atento às dores no peito durante o esforço físico e às dores torácicas acompanhadas de tonturas. Essas situações justificariam uma avaliação mais aprofundada, mas, na maioria das vezes, a causa acaba por ser a ansiedade, excesso de cafeína, asma, tensão muscular ou osteocondrite. Outra condição pode ser ainda a inflamação da parede torácica, cujo tratamento consiste em repouso e medicamentos anti-inflamatórios.

Há algum tempo os médicos acreditavam que condições como a pressão arterial elevada em praticamente todos os jovens poderia ser uma complicação de outra condição médica, como a doença renal, por exemplo. Atualmente sabemos que até mesmo crianças podem desenvolver hipertensão primária, também conhecida como hipertensão essencial. Níveis elevados do colesterol na circulação também são vistos às vezes em adolescentes. Estes problemas podem pavimentar o caminho para um futuro ataque cardíaco, derrame cerebral, insuficiência renal, ou cegueira, entre outras condições.

Os sintomas que sugerem Hipertensão primária ou hipercolesteremia são:

  1. Tontura e / ou dor de cabeça de pressão alta
  2. Colesterol alto não causa sintomas em adolescentes
  3. Hipertensão e hipercolesteremia são diagnosticados por exame físico e história médica completa, além de um ou mais dos seguintes procedimentos: diversas leituras de pressão sanguínea; exame de sangue.

Em adolescentes, uma medição anormalmente elevada de pressão arterial pede uma segunda leitura em seguida ou várias leituras adicionais ao longo de outras visitas ao consultório antes de um diagnóstico definitivo.

O primeiro número representa a pressão sistólica: o pico de pressão dentro dos vasos sanguíneos quando o coração se contrai. O segundo número expressa a pressão diastólica arterial atingida quando o coração relaxa entre os batimentos. Se a pressão arterial permanece elevada, um teste de laboratório mais extenso deve ser solicitado, juntamente com um eletrocardiograma (ECG). O estresse pode contribuir para a hipertensão.

O tratamento pode consistir em:

Melhoria da dieta e prática de exercícios: Tanto a hipertensão arterial e hipercolesterolemia são incomuns entre os adolescentes. Cerca de metade de todos os jovens diagnosticados com hipertensão e dois terços das pessoas com colesterol alto têm uma predisposição hereditária para a doença. O restante dos casos se devem às práticas alimentares pobres e a falta de atividade física.

A terapia medicamentosa: Os adolescentes que se enquadram nas categorias de alto risco para a hipertensão ou hipercolesterolemia podem necessitar de medicação, além de modificar a sua dieta e estilo de vida.

Os jovens com ou sem hipertensão ou hipercolesterolemia devem ser incentivados a:

  • Manter peso saudável.
  • Envolver-se em exercício aeróbico por pelo menos trinta minutos diariamente.
  • Abster-se de álcool e cigarro.
  • Aprender técnicas para aliviar o estresse
  • Consultar o pediatra se houver necessidade de tomar pílulas anticoncepcionais. Embora não seja uma condição comum em adolescentes saudáveis, os contraceptivos orais podem agravar tanto a pressão arterial elevada quanto o colesterol alto.

Prolapso da valva mitral

Quatro válvulas regulam o fluxo de sangue através das quatro câmaras do coração. A válvula mitral está situada do lado esquerdo do coração, o lado que recebe sangue oxigenado fresco a partir do pulmão, em seguida, bombeia-o para fora para a circulação. Sob circunstâncias normais, a válvula abre para deixar passar o sangue a partir da câmara superior esquerda (átrio esquerdo) para dentro da câmara inferior esquerda (ventrículo esquerdo).

Aproximadamente um em cada oito adolescentes saudáveis ​​e adultos jovens são encontrados para ter o prolapso da válvula mitral. Os sons geralmente vêm e vão. Alguns jovens com prolapso da válvula mitral tem um clique e um murmúrio, enquanto outros não têm ruídos anormais do coração em tudo.

Os sintomas que sugerem Prolapso da valva mitral podem incluir:

  • Sopro cardíaco anormal
  • Esvoaçante sensação no peito, como se o coração estivesse correndo ou pulando uma batida
  • Falta de ar
  • Dor de cabeça
  • Dor aguda no peito, fugaz
  • 19 entre 20 pessoas com prolapso da válvula mitral não apresentam quaisquer sintomas; a condição é descoberta durante um exame de rotina.

O Prolapso da válvula mitral é diagnosticado com o exame físico e história médica completa e também com a redução do consumo de cafeína pode ajudar a aliviar palpitações cardíacas. Lembre-se que a cafeína está presente não só no café, mas no refrigerante, chocolate e chá.

Sopro no Coração

Um sopro no coração é apenas o som do coração vibrando ligeiramente ou válvulas de abertura e fechamento quando o sangue flui através dele. Há provavelmente cinquenta tipos diferentes de sopro cardíaco, cada um com o seu próprio som característico. A maioria deles é perfeitamente normal e as possíveis causas de doenças, incluem infecções do coração (endocardite, miocardite), válvulas defeituosas e defeitos cardíacos que estavam presentes desde o nascimento. Sopros cardíacos normais não necessitam de limites nas atividades físicas. Com sopros anormais, a causa subjacente irá determinar se as restrições são necessárias.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Cuidar de sua Adolescente (Copyright © 2003 Academia Americana de Pediatria)

As informações contidas neste site não deve ser usado como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade