PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Conversando com crianças sobre o COVID-19
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Conversando com crianças sobre o COVID-19

Conversando com crianças sobre o COVID-19

18/03/2020
  1019   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Há muita cobertura noticiosa sobre o surto de COVID-19 e as informações podem ser esmagadoras para os pais e assustadoras para as crianças. A Academia Americana de Pediatria lançou um material no qual incentiva os pais e outras pessoas que trabalham em estreita colaboração com as crianças a filtrar informações e falar sobre o assunto de uma maneira que seus filhos possam entender. Confira abaixo algumas dicas que podem ajudar:

Tranquilidade. Lembre às crianças que pesquisadores e médicos estão aprendendo o máximo que podem, o mais rápido possível sobre o vírus e estão tomando medidas para manter todos em segurança.

Dê-lhes controle. Também é um ótimo momento para lembrar aos seus filhos o que eles podem fazer para ajudar. Ensine-os a Etiqueta de higiene – lavando as mãos frequentemente, tossindo em um lenço de papel ou nas mangas, dormindo o suficiente, etc.

Preste atenção nos sinais de ansiedade. As crianças podem não ter palavras para expressar sua preocupação, mas você pode ver sinais disso. Eles podem ficar irritadiços, mais inseguros, ter problemas para dormir ou parecer distraídos. Mantenha a segurança e tente manter suas rotinas normais.

Monitore suas mídias. Mantenha as crianças afastadas de imagens assustadoras que possam passar na TV, nas mídias sociais, computadores, etc. Para crianças mais velhas, converse sobre o que estão ouvindo no noticiário e corrija qualquer informação incorreta ou boato que possam ter ouvido.

Seja um bom modelo. O COVID-19 não discrimina e nem devemos. Embora o COVID-19 tenha começado em Wuhan, na China, isso não significa que ter ascendência asiática – ou qualquer outra ancestralidade – torne alguém mais suscetível ao vírus ou mais contagioso. O estigma e a discriminação magoam a todos, criando medo ou raiva contra os outros. Quando você demonstrar empatia e apoio àqueles que estão doentes, seus filhos seguirão o exemplo. Num mundo como o atual onde o preconceito e a radicalização podem predominar precisamos ser exemplos para nossos filhos e para nossa sociedade.

Mantenha-se informado. As famílias são encorajadas a se manterem atualizadas sobre essa situação, à medida que aprendemos mais sobre como impedir que esse vírus se espalhe nas casas e nas comunidades.

Fonte: Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2020)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade