PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Convulsão Febril
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Convulsão Febril

Convulsão Febril

29/05/2014
  538   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

3872ea30262f444093bb6af68a1029b1

É um sentimento de desamparo terrível quando a criança está doente, especialmente seu filho que é muito pequeno para entender o que está acontecendo e comunicar os sintomas que sente. Mas, quando uma febre “normal” cria sintomas graves, como convulsões febris, essa sensação compreensivelmente vai a um terrível pavor em questão de segundos.

A convulsão febril é uma convulsão causada por febre, geralmente presente em crianças pequenas entre as idades de 6 meses e 5 anos de idade, mais comumente em crianças entre 12 e 18 meses. Convulsões febris são extremamente assustadoras para os pais, mas a verdade é que além de raras, elas são geralmente bastante benignas e não resultam em qualquer dano duradouro para a criança.

A convulsão causada por uma febre geralmente dura poucos minutos. Durante uma convulsão febril a criança vai convulsionar e tremer, seus olhos podem virar. A criança pode gemer ou fazer ruídos estranhos e pode até perder a consciência.

Obviamente, testemunhando isso surge medo e o pânico nos pais. Mas esses ataques, muitas vezes nem sequer exigem tratamento e geralmente acabam por conta própria sem incidentes.

Se o seu filho já sofreu a convulsão febril e está bem, você deve leva-lo à emergência apenas para se sentir mais seguro. Mas, é importante que marque uma consulta pediátrica o mais rápido possível. Até que chegue ajuda, certifique-se que o local no qual o seu filho está seja seguro para que ele não corra o risco de cair e se machucar. Não tente parar a convulsão ou segurá-los com força.

Saiba mais clicando aqui

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: healhy for kids

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Janice Maria Civinski disse:

    Bom dia!!!

    Gostaria de saber se vocês tem informações de quando é a hora de parar com o anticonvulsivo, meu filho toma desde os 8 meses já tem 4 anos, e acho que isto esta causando mais danos a ele do que propriamente a convulsão. Já conversei com o neuropediatra que foi muito enérgico e disse que até os 6 anos. Gostaria de saber outras opiniões…

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Janice, não temos como aplicar diagnósticos sem conhecer o quadro clínico do seu pequeno ou realizar exames não temos como afirmar com propriedade sobre a cessão do remédio ao seu pequeno. Mas, recomendamos que busque uma segunda opinião médica, caso queira ficar mais tranquila.

  • Marisa disse:

    Olá ! Na verdade minha filha teve 02 vezes convulsão por conta de febre e realmente isso é muito assustador, pois eu não tinha nenhuma informação até então, com a consulta na neuro, decidimos entrar com o valiun em caso de febre e nunca mais aconteceu ! O tratamento deve seguir até o 06 anos e a levamos a cada 06 meses , para consulta de rotina. Mas o que mais me assustou foi que a médica me disse que isso tem uma grande carga genética, eu nunca tive, mas conversando com minha sogra ela nos disse que meu marido sim, e que ela nem desconfiava ser convulsões. Essa informação realmente procede?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Marisa, existem casos e casos, principalmente com relação à convulsão. Esperamos que o tratamento amenize os sustos da sua família. Abraços.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade