PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
De onde vem os trovões?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
De onde vem os trovões?

De onde vem os trovões?

08/03/2016
  4537   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Descubra o que provoca o som dos trovões.

É muito comum a gente olhar para cima em dias de chuva forte e ficarmos observando como o céu se comporta. Algumas vezes o que se vê são as nuvens nubladas e as chuvas, noutras o céu vira um verdadeiro palco de luzes e os relâmpagos tomam conta da cena, além, claro, dos trovões, que são bem desagradáveis para a maioria das pessoas. Mas, apesar de pegarem muita gente desprevenida, os trovões são um dos fenômenos mais curiosos da natureza. Quem nunca levou um susto daqueles com um trovão que chegou de forma desavisada? Como será que se dá o fenômeno trovões? De onde eles vem? No artigo de hoje você vai se aprofundar mais sobre este tema, mas sem levar susto!

Trovões

Os trovões são nada mais do que fenômenos sonoros que são gerados a partir de movimentos de cargas elétricas em nossa atmosfera. E assim como todos os sons, eles também são propagados através de vibrações sonoras. Tudo o que captamos através de nossos ouvidos é resultado de vibrações sob a forma sonora no ambiente. Aquele som assustador que chega logo após um relâmpago não é nada diferente, sendo resultado de uma vibração de origem externa, que neste caso é gerado por uma descarga elétrica de alta potencia que se instala entre o solo e as nuvens. Esse raio gera correntes elétricas que ionizam o ar em seu percurso, produzindo um rastro de luz altamente aquecido, o qual damos o nome de relâmpago. O ar que envolve essa corrente é aquecido rapidamente, atingindo temperaturas de até 27.000ºC.

Mas, de onde vem o som do trovão?

Primeiramente, vemos o relâmpago e o trovão vem somente depois. Isso acontece porque a velocidade da luz é absurdamente mais rápida em comparação com a velocidade do som. Geralmente, os trovões provocam um grande estouro. Contudo, dependendo da região ou do terreno, eles podem multiplicar-se em múltiplos ecos, principalmente em cidades que apresentam inúmeros prédios ou túneis. A distância de um raio em relação ao seu observador pode ser estabelecida através da contagem dos segundos entre o relampejo e o trovão. Nesse cálculo, cada segundo que distancia os eventos significa, em média, 300 metros de distância.

O som captado pelo ouvido humano é resultado da combinação de três momentos que acontecem muito rapidamente durante a descarga elétrica. Primeiramente, ocorre um curto estalo (som agudo que pode até deixar uma pessoa surda), seguido de um som intenso e que dura mais tempo, e finalmente a expansão dos sons mais graves ao longo da atmosfera e acerca do relâmpago. Por vezes, essa percepção pode se dar de outra forma, mas a ordem da magnitude do trovão será sempre a mesma do relâmpago. Isso quer dizer que é sempre recomendável que as pessoas fiquem longe de regiões com mais evidencias de relâmpagos a fim de evitar que elas sejam atingidas pelos relâmpagos.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade