PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dia Internacional da Síndrome de Down
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dia Internacional da Síndrome de Down

Dia Internacional da Síndrome de Down

21/03/2012
  429   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças que têm o distúrbio devem ser acompanhadas por fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos e outros médicos

Hoje, dia 21 de março, comemora-se o Dia Internacional da Síndrome de Down. Esta data serve para lembrar de uma das doenças genéticas mais comuns entre nós e para lutar contra o preconceito que persiste sobre as pessoas com necessidades especiais.

Segundo dados da Santa Casa de São Paulo, atualmente os portadores de Síndrome de Down passaram a viver mais e com melhor qualidade física, psicológica e de ambiente, sendo que a expectativa de vida subiu de 15 anos na década de 40 para 70 anos hoje.

De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de casos no país supera os 300 mil. A síndrome de Down pode atingir 1 a cada 800 ou 1000 recém-nascidos. A variação se deve ao fato de a incidência do distúrbio aumentar em filhos de mulheres mais velhas (60% dos casos ocorrem em mães com mais de 35 anos).

O transtorno pode ser detectado já nos exames pré-natais e confirmado por meio de avaliações laboratoriais após o parto. Estes procedimentos indicam ainda a severidade do distúrbio e a possibilidade de o casal ter outra criança com a síndrome.

Indivíduos com síndrome de Down podem apresentar algumas características como o comprometimento intelectual, dificuldades motoras e na articulação da fala, face modificada pelo distúrbio, mãos e orelhas pequenas, além de olhos semelhantes aos de orientais. Eles estão mais suscetíveis a determinadas doenças, sendo as mais comuns as cardíacas estruturais (40%), um índice maior do que o registrado na população em geral. Também são muito frequentes os problemas na glândula da tireoide. A sexualidade dos portadores da síndrome não é muito diferente da dos que não a possuem.

As crianças com síndrome de Down devem ser acompanhadas por equipe multiprofissionais com fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia e pelo médico. Quanto à educação, até a fase de alfabetização, deve ser como a de qualquer outra pessoa e o aprendizado vai depender do grau de comprometimento intelectual.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade