PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Minorias e a relação com o diagnóstico de TDAH
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Minorias e a relação com o diagnóstico de TDAH

Minorias e a relação com o diagnóstico de TDAH

18/11/2013
  356   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo aponta que elas são menos propensas a receber o diagnóstico da doença

TDAH e minorias

Em um estudo apresentado na revista Pediatrics, crianças de minorias eram menos propensas a serem diagnosticadas com TDAH em comparação às brancas idênticas. O trabalho realizado nos EUA também deve valer para a nossa população infantil, talvez, não às minorias raciais, mas para a maior parte carente e pouco assistida pela saúde estatal.

As chances eram mais baixas para crianças de outras etnias (46%), hispânicas (50%) e negras (69%). Entre as que foram diagnosticadas com TDAH, o uso de medicamentos foi menor para todas as crianças das minorias.

Os autores apontam que as crianças que são diagnosticadas não recebem intervenções que poderiam ajudar a mitigar o impacto da doença sobre a aprendizagem e o comportamento. Além disso, eles afirmam que o estudo fornece suporte para maior sensibilização e questionamento de prestadores de cuidados de saúde, psicólogos escolares e professores para garantirem que as crianças de minorias recebam o diagnóstico correto e o acesso às intervenções disponíveis, tais como medicamentos e programas de aprendizagem especializados.

O Hospital Infantil Sabará e o Instituto PENSI pretende desenvolver pesquisas nesta área, pois as taxas de distúrbio de atenção e hiperatividade aumentam no mundo inteiro e precisamos conhecer melhor o que ocorre com as crianças brasileiras. Seja para disseminar conhecimento, seja para orientar tratamentos, hoje tão polêmicos.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: “Racial and Ethnic Disparities in ADHD Diagnosis From Kindergarten to Eighth Grade,” published online June 24, found that disparities in ADHD diagnosis begin in kindergarten and continue until at least eighth grade.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade