PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O efeito da propaganda sobre o consumo de álcool
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O efeito da propaganda sobre o consumo de álcool

O efeito da propaganda sobre o consumo de álcool

11/02/2013
  2473   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo indica que o contato com peças publicitárias influenciam adolescentes a beber

Propaganda de bebida alcoólica

O consumo de álcool é uma das maiores preocupações dos pais que têm filhos adolescentes, não só nas grandes metrópoles, mas em todo o país. Numa pesquisa publicada na revista Pediatrics, se estudou a influência da propaganda de bebidas alcoólicas no que se refere ao consumo delas pelo público jovem. Nesta época em que o governador de São Paulo está para sancionar a lei de regulamentação de propaganda para as crianças, esse artigo vem bem a calhar.

Alunos da sétima série que estão expostos aos anúncios de álcool na TV e que afirmaram que gostam deles podem apresentar problemas mais graves relacionados ao consumo de álcool no futuro. Pelo menos, é o que afirma o estudo Exposure to Alcohol Advertisements and Teenage Alcohol-Related Problems.

Os pesquisadores entrevistaram cerca de 4.000 mil alunos do sétimo ano (13 a 14 anos de idade), acompanhando-os até a oitava, nona e primeiro ano do ensino médio (embora o tamanho do grupo de participantes diminuísse a cada ano).

Os participantes foram avaliados para os seguintes critérios:

a) A exposição a determinados programas de televisão durante o qual os anúncios de álcool apareceram;
b) Reconhecimento e recordação dos anúncios e produtos;
c) Quanto eles gostaram dos anúncios de álcool mostrados na TV;
d) Frequência e quantidade de seu consumo próprio de álcool;
e) Problemas associados ao uso de álcool, como na execução das tarefas escolares ou participação em brigas.

Os pesquisadores também avaliaram os alunos para outros fatores que podem influenciar no uso de álcool:

a) Como pais adolescentes;
b) Não praticar esportes;
c) Consumo de álcool por influência dos amigos ou dos adultos que bebem dentro de casa.

A exposição à publicidade parece ter uma correlação significativa com o uso de álcool, principalmente entre as meninas. Gostar dos anúncios estava conectado com problemas relacionados às bebidas alcoólicas, principalmente entre os meninos. O ato de beber entre meninos e meninas que foram expostos aos anúncios e gostavam deles teve um crescimento gradativo do sétimo até o primeiro ano do ensino médio, período estudado na pesquisa. Não havia informações a partir daí.

Com base nestes resultados e um número crescente de achados da literatura, os autores concluem que a exposição aos anúncios de álcool pode influenciar o uso e os problemas entre os adolescentes. Os pesquisadores recomendam uma educação sobre as mídias por meio da limitação da exposição dos jovens à publicidade, como parte das estratégias de prevenção.

No Brasil, a propaganda das bebidas alcoólicas é regulada pela Lei n° 9.294, de 15 de julho de 1996, que faz restrições de horário, de local e de conteúdo para as peças publicitárias.

No entanto, tais restrições não alcançam as bebidas alcoólicas mais consumidas no País, as cervejas, visto que, para os efeitos da lei, somente são consideradas alcoólicas aquelas bebidas com teor de álcool superior a 13º Gay-Lussac. Em um estudo domiciliar conduzido em 2001, foram abordadas 107 cidades brasileiras com mais de 200 mil habitantes, totalizando 8.589 mil entrevistados. Na faixa etária dos 12 aos 17 anos, os percentuais foram de 52,2% para os meninos e 44,7% para as meninas a despeito da proibição da venda de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos.

Por Dr. José Luiz Setúbal
Fonte:Exposure to Alcohol Advertisements and Teenage Alcohol-Related Problems | Pediatrics fev- 2013 e  Regulação da Publicidade das Bebidas Alcoólicas | Sebastião Moreira Jr. – Consultoria Legislativa do Senado Federal- Coordenação de Estudos

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade