PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O papel dos pais na redução de risco no comportamento sexual do adolescente
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O papel dos pais na redução de risco no comportamento sexual do adolescente

O papel dos pais na redução de risco no comportamento sexual do adolescente

15/06/2016
  489   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O comportamento sexual dos adolescentes em geral está entre as maiores preocupações dos pais. Em artigo publicado na revista Pediatrics, os autores fazem um levantamento e análise (meta-análise) de diferentes publicações que trataram do assunto nos últimos anos e chegam a uma conclusão.

 

Numerosas associações médicas defendem um maior empenho e acompanhamento para ajudar a reduzir o comportamento de risco sexual dos pais. Nesta meta-análise, os pesquisadores examinaram estudos publicados em jornais médicos publicados em inglês, entre 1984 e 2014, para determinar a associação entre o acompanhamento dos pais e do adolescente com a relação sexual, uso de preservativos e uso de contraceptivos. Ao longo dos estudos, o acompanhamento dos pais foi associado à redução do comportamento de risco sexual do adolescente, incluindo atraso no início da atividade sexual e aumento no uso de preservativos e contraceptivos.

 

Efeitos de monitorização de proteção foram encontrados para diferentes adolescentes, incluindo meninos e meninas, adolescentes mais velhos e mais jovens e adolescentes sexualmente experientes, bem como aqueles que ainda não são sexualmente experientes. Ambas as formas de monitoramento dos pais (ou seja, o conhecimento dos pais sobre seus companheiros, paradeiro e atividades), e formas mais específicas de acompanhamento, por meio da aplicação de regras da família sobre o tempo gasto com amigos e parceiros de namoro, podem ajudar a proteger os adolescentes de se envolverem em comportamentos sexuais de risco.

 

Comportamentos gerais de monitoramento mais próximos podem ser um estilo parental caracterizado por uma maior participação dos pais e melhores relações de qualidade, ao passo que a aplicação das regras da família é mais sobre como limitar as oportunidades para se engajar em comportamentos de risco.

 

Os pais confiam em prestadores de cuidados de saúde e pedem a eles aconselhamento e orientação sobre a saúde e bem-estar de seus filhos. De acordo com os autores do estudo, os fornecedores de informações devem ver isso como uma oportunidade de ter um papel ativo no envolvimento dos pais em nome de seus pacientes adolescentes. Uma maneira de fazê-lo é por meio do apoio a pais em seus esforços de monitorização e supervisão com seus adolescentes. Isto é especialmente importante para os pais de adolescentes que tendem a puxar para trás a partir de seus esforços de monitoramento que seus filhos crescem.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics, December 2015, VOLUME 136 / ISSUE 6

Parental Monitoring and Its Associations With Adolescent Sexual Risk Behavior: A Meta-analysis

Patricia J. Dittus, Shannon L. Michael, Jeffrey S. Becasen, Kari M. Gloppen, Katharine McCarthy, Vincent Guilamo-Ramos

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade