11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada

Pais e cuidadores precisam deixar os receios de lado para enxergar que nem tudo se trata de crise da adolescência

suicídio entre jovens brasileiros

Outro dia, vi o documentário brasileiro chamado “Elena”, da cineasta mineira Petra Costa. O filme conta a história da irmã dela, de mesmo nome, que se suicida aos 20 anos após uma crise de depressão.

Li uma reportagem que o aumento de suicídio entre os jovens brasileiros foi de 30% nos últimos 25 anos. Com curiosidade, fui atrás de mais números e fiquei muito impressionado com que encontrei. Em 2009, 196 jovens, entre 10 e 14 anos, e 566 jovens, entre 15 e 19 anos, cometeram suicídio no Brasil. Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos com estudantes de escolas públicas e privadas, entre 9 e 12 anos, mostrou que 15% dos alunos consideram seriamente o suicídio, 11% disseram ter criado um plano de ação e 7% tentaram tirar a própria vida nos 12 meses que antecederam a pesquisa.

Estudos feitos por psiquiatras brasileiros e do exterior consideram que uma sociedade cada vez mais individualista e menos solidária faz com que os jovens se sintam sem uma rede de apoio. Existem tópicos que dizem que é necessário ser feliz e ter sucesso, ideias muito difundidas pelas redes sociais.

Outras causas deste aumento parecem estar relacionadas com o uso e abuso de drogas e álcool, e o aumento da depressão entre crianças e adolescentes, todos vistos como fatores de risco para o suicídio. Saiba quais pontos devem ser observados entre pais e professores quando se há suspeitas de casos como esse:

• Histórico de tentativas anteriores de suicídio;

• Depressão ou outros distúrbios mentais;

• Abuso de álcool e drogas;

• Perda ou algum fator recente de stress;

• Fácil acesso a métodos letais (como armas, venenos, etc.).

Pais e cuidadores devem se atentar e perder o preconceito de levar os filhos ao psicólogo ou ao psiquiatra quando houver menor sinal de depressão que, muitas vezes, vai se manifestar como agressividade e inconformismo, comumente confundidos com as crises da adolescência.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Veja Online

Avatar
Instituto Pensi
O Instituto Pensi é o braço de ensino, pesquisa e projetos sociais da Fundação José Luiz Egydio Setúbal enquanto o Hospital Infantil Sabará é seu braço de assistência médica.

Postagens Relacionadas