PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Parentalidade em uma pandemia: dicas para manter a calma em casa
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Parentalidade em uma pandemia: dicas para manter a calma em casa

Parentalidade em uma pandemia: dicas para manter a calma em casa

08/05/2020
  184   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Das coisas que se sabe dos períodos de quarentena, uma é o aumento da violência doméstica sobretudo a violência com as crianças e os adolescentes. Medo, incerteza e ficar escondido em casa para diminuir a propagação da Covid-19 pode dificultar a manutenção da calma das famílias. Mas é importante ajudar as crianças a se sentirem seguras, manterem rotinas saudáveis, gerenciarem seu comportamento e aumentarem a resiliência. Aqui estão algumas dicas para ajudar sua família durante o surto.

Como abordar os medos das crianças 

  • As crianças confiam nos pais para segurança tanto física quanto emocional. Tranquilize seus filhos que você está lá para eles e que sua família vai passar por isso juntos.
  • Responda a perguntas sobre a pandemia de maneira simples e honesta de um jeito que ela possa entender. Converse com as crianças sobre qualquer notícia assustadora que ouvirem. Não há problema em dizer que as pessoas estão ficando doentes, mas dizer que seguir regras como lavar as mãos e ficar em casa ajudará sua família a se manter saudável.
  • Reconheça os sentimentos do seu filho. As perguntas norteadoras podem ajudar crianças e adolescentes a resolverem os problemas. (“Eu sei que é decepcionante não poder ficar com seus amigos agora. Como você acha que pode ficar em contato com eles? “)
  • Mantenha contato com entes queridos. As crianças também podem se preocupar com um avô que mora sozinho ou um parente ou amigo com um risco maior de contrair Covid-19. As conversas por vídeo podem ajudar a aliviar a ansiedade.
  • Informe o seu filho antes de sair de casa para o trabalho ou recados essenciais. Em uma voz calma e tranquilizadora, diga a eles onde você está indo, quanto tempo você irá ficar fora, quando retornará e que está tomando medidas para se manter seguro.
  • Esperar ansiosamente. Diga a eles que os cientistas estão trabalhando duro para descobrir como ajudar as pessoas que ficam doentes e que as coisas vão melhorar.
  • Ofereça abraços extras e diga “eu te amo” com mais frequência.

 

Mantenha rotinas saudáveis 

Durante a pandemia, é mais importante do que nunca manter a hora de dormir e outras rotinas. Eles criam um senso de ordem para o dia que oferece segurança em um tempo muito incerto. Todas as crianças, incluindo os adolescentes, se beneficiam de rotinas previsíveis e flexíveis o suficiente para atender às necessidades individuais.

Estruture o dia. Com as rotinas usuais iniciadas, estabeleça novos agendamentos diários. Divida os trabalhos escolares quando possível. Crianças e adolescentes mais velhos podem ajudar com horários, mas devem seguir uma ordem geral, como:

  1. rotinas de despertar, vestir-se, café da manhã e brincadeiras ativas pela manhã, seguidas de brincadeiras e lanches tranquilos para fazer a transição para os trabalhos escolares.
  1. almoço, tarefas, exercícios, algum tempo social online com os amigos e, depois, lição de casa à tarde.
  1. tempo para a família e leitura antes de dormir.

 

Use disciplina positiva 

Todo mundo está mais ansioso e preocupado durante a pandemia. As crianças mais novas podem não ter palavras para descrever seus sentimentos. É mais provável que eles demonstrem seu estresse, ansiedade ou medo através de seu comportamento (o que, por sua vez, pode incomodar os pais, principalmente se eles já estão estressados). Crianças e adolescentes mais velhos podem ficar irritados quando perdem o tempo com amigos e eventos especiais sendo cancelados.

Algumas maneiras pelas quais você pode ajudar seus filhos a gerenciar suas emoções e comportamentos:

Redirecionar mau comportamento. Às vezes, as crianças se comportam mal porque estão entediadas ou não sabem melhor. Encontre outra coisa para eles fazerem.

Jogo criativo. Sugira que seus filhos desenhem maneiras de manter sua família em segurança. Faça uma colagem e desligue-a para lembrar a todos.

Dirija sua atenção. A atenção – para reforçar bons comportamentos e desencorajar os outros – é uma ferramenta poderosa. Observe o bom comportamento e aponte-o, elogiando o sucesso e as boas tentativas. Explicar expectativas claras, principalmente em crianças mais velhas, pode ajudar com isso.

Use recompensas e privilégios para reforçar o bom comportamento (concluir tarefas escolares, tarefas domésticas, conviver com os irmãos etc.) que normalmente não seriam dados em períodos menos estressantes.

Use tempos limite. Essa ferramenta de disciplina funciona melhor alertando as crianças que elas terão um intervalo se não pararem. Lembre-lhes o que eles fizeram de errado com o mínimo de palavras – e com o mínimo de emoção – possível. Em seguida, remova-os da situação por um período de tempo predefinido (1 minuto por ano de idade é um bom guia).

Horário especial. Mesmo com todos em casa juntos 24 horas por dia, todos os dias, reserve um tempo especial para cada criança. Você escolhe o tempo e deixa seu filho escolher a atividade. Apenas 10 ou 20 minutos de sua atenção total, mesmo que apenas uma vez a cada poucos dias, significarão muito para o seu filho. Mantenha os celulares desligados ou em silêncio para não se distrair.

Evite punição física. Espancar, bater e outras formas de castigo físico ou “corporal” correm o risco de ferimentos e não são eficazes. O castigo físico pode aumentar a agressão em crianças ao longo do tempo, deixa de ensiná-las a se comportar ou praticar o autocontrole e pode até interferir com desenvolvimento do cérebro: a punição corporal pode tirar a sensação de segurança e proteção de uma criança em casa, que são especialmente necessárias agora.

Se cuide. Os cuidadores também devem cuidar de si mesmos fisicamente: comer de forma saudável, exercitar-se e dormir o suficiente. Encontre maneiras de descomprimir e fazer pausas. Se mais de um dos pais estiver em casa, reveze-se para observar os filhos, se possível.

 

Saiba mais:

Palmada para disciplinar? Nunca

Coronavírus: o impacto das mudanças sociais nos nossos filhos

Adolescentes e Covid-19: Desafios e oportunidades durante o surto

Brincadeiras para fazer em casa com as crianças

 

Fonte: Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2020)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade