PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Que brinquedos os seus filhos precisam ter?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Que brinquedos os seus filhos precisam ter?

Que brinquedos os seus filhos precisam ter?

24/12/2015
  1053   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

 

 

Foto_brinquedos

Toda criança precisa de 3 coisas para brincar: tempo, espaço e objetos. Quando não temos um repertório de brincar amplo, nossa tendência é achar que os objetos precisam ser brinquedos prontos. Quanto maior a caixa e mais recursos o brinquedo tiver, melhor, certo? Não.

Os brinquedos evoluíram tanto nos últimos anos que agora os brinquedos parece que se jogam sozinho. Eles já vêm com alguma brincadeira pronta e tudo o que a criança precisa fazer é apertar algum botão e olhar.  A criança acaba sendo um observador passivo do brinquedo.  Quando a bateria acaba, o brinquedo morre.

Não devia ser assim. A pedagoga Nilse Helena, fundadora da primeira brinquedoteca do Brasil, tem uma frase que eu acho ótimo “os brinquedos são parceiros silenciosos que desafiam a criança possibilitando descobertas e estimulando a auto expressão”. Essencialmente, os brinquedos deveriam ser um convite à exploração e à imaginação.  Muitas vezes, com sucata, a criança consegue fazer isso melhor do que com um brinquedo pronto. Lá no Tempojunto a gente escreve bastante sobre isso. Temos post como “25 brincadeiras com caixa de papelão” , “10 ideias de como fazer brinquedo com sucata” ou “Os melhores brinquedos caseiros para bebês de 18 a 24 meses” que falam justamente sobre isso.

Lógico que ao defender a construção com sucata não estou querendo dizer que os brinquedos prontos não são necessários. Pelo contrário. Eles são fundamentais. O ponto é ver se as crianças têm os brinquedos certos! Vai lá dar uma olhada na brinquedoteca que você tem em casa e veja se os brinquedos que vocês têm oferecem uma variedade de estímulos. As crianças conseguem explorar e imaginar com os objetos lúdicos disponíveis?

Eu já fiz aqui no blog um post com dicas de brinquedos para crianças de 0 a 12 meses. Agora, vou aproveitar as recomendações que a Nylse Helena passa no seu livro “Brinquedoteca. Um Mergulho no brincar” da Editora Aquariana, para fazer uma lista com os brinquedos indicados para as diferentes faixas etárias, considerando o desenvolvimento cognitivo, motor e sócio-emocional em casa fase.

De 1 a 2 anos: brinquedos de empurrar, carrinhos, blocos de construção, bate-estacas, brinquedos de desmontar (grandes), degraus e pequenos escorregadores, túneis, carro ou bicicleta em pedal

De 2 a 4 anos:  livros de pano com figuras, telefone, panelinhas e utensílios de cozinha, objetos domésticos, bonecas, máscaras, chapéus, fantoches, fantasias, capas, bichinhos de pelúcia, massa para modelar, quebra-cabeças simples, tambor, pandeiro, corneta, carros, caminhões, trenzinhos e aviões, pianinho e xilofone, cabanas e casinhas, balde e pazinha, triciclo, material para bolha de sabão.

De 4 a 7 anos: blocos de construção, material para pintura e desenho, jogos (dominó, loto, damas), jogos de circuito, carrinho de boneca, livros.

De 7 a 12 anos: bolas e raquetes, boliche, futebol e botão, peteca, jogos (montar, construção, perguntas e respostas, damas, xadrez), mini laboratórios, quebra-cabeças difíceis, ferramentas para construção de brinquedos.

Patrícia Marinho

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade