PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Responda rápido: brincar se aprende?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Responda rápido: brincar se aprende?

Responda rápido: brincar se aprende?

29/04/2016
  102   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Logo após o início do Tempojunto, eu tive uma reunião com algumas pessoas e alguém fez a pergunta: brincar se aprende?

 

Naquele momento, eu devo confessar que levei um tempinho para responder. De certa forma, pareceu errado responder que sim. Saber brincar seria uma coisa que já nasce com a gente.

 

No entanto, a minha prática com o universo do brincar me levou a entender que a resposta é outra. Apesar de toda criança nascer com a capacidade natural de brincar, da brincadeira ser a linguagem, o modo de expressão da criança,  o repertório de brincadeiras não só pode, como deve ser ampliado com o tempo. Brincar se aprende, sim senhor.

 

O primeiro passo para isso é ampliar a visão que temos do que seja uma brincadeira. Outro dia uma mãe que é nossa seguidora na página do Facebook do Tempojunto, comentou num post que ela não gostava de brincar e precisava de ajuda.

 

Ficamos tão impressionadas com aquele comentário tão sincero que resolvemos marcar uma conversa com a tal seguidora. Eis que, num papo de uma hora no Skype, conseguimos perceber que estávamos diante de uma das mães mais brincantes que já conhecemos, só que ela não se considerava assim.

 

Isso porque, brincadeira, para ela, era ir para a pracinha ou sentar para brincar de boneca. Duas coisas das quais ela não gostava. Só que, em contra partida, ela sempre conta história para a filha quando vai no banheiro, faz fantoches com pedaços de tecido, senta para fazer trabalho de artes, carrega a filha nas costas para ir do quarto para a sala. Tudo isso são formas de brincar. Só é preciso reconhecer.

 

O segundo passo para aprender a brincar é procurar referências. No caso do Tempojunto, nós recorremos a livros e sites que falam sobre atividades para crianças. Se quiser ir além, existem cursos de formação de brinquedistas em várias cidades do país.

 

O próprio Tempojunto é um projeto que existe justamente para dar soluções práticas para que pais e mães superem dificuldades como falta de tempo, dinheiro ou ideias e consigam incorporar mais brincadeiras com os filhos no cotidiano.

 

Essa aí da foto que ilustra este post sou eu e minha filha. Sabe quando eu iria transformar um prato descartável numa raquete para jogar tênis de bexiga, sem ter pesquisado antes? Nunca! Mas entender de brincadeiras virou minha prioridade e esta atividade da foto é uma das 100 brincadeiras incríveis que você pode fazer com os filhos em qualquer lugar que está no meu livro Tempojunto, publicado pela editora Matriz.

 

A boa notícia é que quanto mais você pesquisa sobre brincadeira, mais você pratica e mais ideias você tem do que fazer nos momentos preciosos em que está com os filhos.

Patrícias Camargo e Marinho

Patrícias Camargo e Marinho

Patricia Marinho, publicitária de formação, é a criadora do Tempojunto, um projeto que traz dicas de brincadeiras para serem feitas em qualquer situação. Junto com sua sócia, a jornalista Patricia Camargo, querem mostrar a importância da brincadeira para as crianças e para o vínculo afetivo positivo entre pais e filhos.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade