PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A importância de conversar com a criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A importância de conversar com a criança

A importância de conversar com a criança

13/03/2014
  3949   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças que estão expostas a pouco contato com a fala de adultos são conhecidas por estarem em risco de atraso de linguagem. Um novo estudo analisou se o mesmo é verdadeiro para prematuros. Afinal, conversar com o bebê prematuro faz diferença?

No estudo “Conversa de adultos na UTIN com bebês prematuros e resultados de desenvolvimento“, publicado na revista Pediatrics de março, os pesquisadores registraram 16 horas de fala dos adultos e sons vocais de crianças em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de Mulheres e Crianças do Hospital em Rhode Island.

Os pesquisadores usaram um dispositivo digital para gravar adultos conversando com 36 recém-nascidos prematuros na idade de 32 semanas, e novamente com a idade de 36 semanas. Cada aumento de 100 palavras de adultos por hora durante a gravação com a idade de 32 semanas resultou em um aumento de 2 pontos em escores compostos de linguagem aos 18 meses, e um aumento de 0,5 ponto nos escores de comunicação expressivos. Para cada 100 palavras por hora com o bebê de 36 semanas de idade, houve um aumento de 1,2 ponto aos 7 meses, e um aumento de 0,3 ponto nos escores de comunicação expressivos em 18 meses. Aos 7 meses, a contagem de palavras do adulto cumulativa para todas as gravações foi associada com maiores pontuações, composta de cognitivas e de linguagem, e contagens de comunicação receptivas. Para os resultados de 18 meses, a contagem de palavras de adultos para todas as gravações estava ligada à pontuação mais elevada de comunicação expressiva.

Os autores do estudo concluíram que as crianças sendo atendidas na UTI com benefício da exposição à conversa adulta resultam em maior linguagem e escores cognitivos mais tarde na vida. Os pais devem ser encorajados a conversar com seus bebês prematuros enquanto na UTIN para evitar risco de atraso de linguagem.

Apesar de ser difícil de entender o trabalho para quem não é da área, podemos resumir dizendo que o importante é que pais de crianças, sejam elas prematuras ou não, conversem com elas, contem histórias e cantem músicas, pois quanto mais palavras a criança ouvir, maior será seu estímulo e maior a facilidade de adquirir uma linguagem.

Leia também: Cuidados com prematuros: o que os pais devem saber

Fonte:  “Adult Talk in the NICU With Preterm Infants and Developmental Outcomes,” Pediatrics published online Feb. 10,

Atualizado em 4 de junho de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.