PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O hábito alimentar da criança pode levar a problemas na idade adulta?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O hábito alimentar da criança pode levar a problemas na idade adulta?

O hábito alimentar da criança pode levar a problemas na idade adulta?

13/04/2023
  1091   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O hábito alimentar infantil é um fator importante para o desenvolvimento da saúde e do bem-estar das crianças. A forma como as crianças são alimentadas pode afetar sua saúde física, mental e emocional em longo prazo. Além disso, o hábito alimentar infantil também pode influenciar o desenvolvimento de transtornos alimentares no adolescente e no adulto.

Os transtornos alimentares são condições psiquiátricas que afetam a alimentação e o comportamento alimentar. Esses transtornos podem incluir anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar periódica e transtorno de ruminação. Essas condições podem ter graves consequências para a saúde física e mental, incluindo desnutrição, desidratação, problemas cardíacos, depressão e ansiedade.

O hábito alimentar infantil pode influenciar o desenvolvimento desses transtornos de várias maneiras, por exemplo: se uma criança é forçada a comer mais do que ela quer ou é incentivada a comer em excesso, isso pode levar a problemas de peso e obesidade. Por outro lado, se uma criança é privada de alimentos ou é incentivada a fazer dieta desde cedo, isso pode levar a uma relação disfuncional com a comida e a uma maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares mais tarde na vida.

Além disso, o ambiente em que a criança é criada também pode influenciar o desenvolvimento de transtornos alimentares. Se a criança cresce em um ambiente onde a comida é usada como uma forma de conforto emocional ou como uma recompensa, isso pode levar a uma relação emocional com a comida e a uma maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares.

Outro fator importante é a influência da mídia e da cultura na percepção da imagem corporal. A exposição constante a imagens idealizadas do corpo humano pode levar a uma pressão social para alcançar um padrão estético inalcançável e prejudicial à saúde. Isso pode levar a uma maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares em adolescentes e adultos.

Em resumo, o hábito alimentar infantil é um fator importante no desenvolvimento da saúde física, mental e emocional das crianças. A forma como as crianças são alimentadas pode influenciar o desenvolvimento de transtornos alimentares no adolescente e no adulto. É importante que os pais e cuidadores estejam cientes da importância de promover hábitos alimentares saudáveis e equilibrados desde cedo, para prevenir problemas de saúde e transtornos alimentares no futuro.

Mas a existência de TARE (Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo) ou ARFID (em inglês, Avoidant or Restrictive Feeding Disorder) na infância tem relação com doenças alimentares no adulto?

Sim, existe uma relação entre transtornos alimentares do adulto e o Transtorno de Evitação/Restrição Alimentar (ARFID) na infância.

O ARFID é um transtorno alimentar que se caracteriza pela restrição alimentar significativa, aversão a certos alimentos ou texturas e/ou preocupação com as consequências adversas dos alimentos. É importante notar que o ARFID é diferente da anorexia nervosa ou bulimia nervosa, que são transtornos alimentares mais conhecidos.

O ARFID pode afetar crianças de todas as idades, incluindo bebês e crianças pequenas. Se não for tratado, ele pode levar a problemas de saúde física, como desnutrição e desidratação, além de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão. Além disso, o ARFID pode aumentar o risco de desenvolvimento de transtornos alimentares no futuro.

Estudos mostram que crianças com ARFID têm maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares no futuro, especialmente anorexia nervosa e transtornos alimentares não especificados. Isso pode ocorrer porque ele pode levar a uma maior sensibilidade à textura e ao sabor dos alimentos, o que pode levar a uma maior preocupação com a comida e a uma maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares.

Além disso, o ARFID pode levar a uma maior preocupação com o controle do peso e a uma maior probabilidade de fazer dieta desde cedo. Isso pode levar a uma relação disfuncional com a comida e a uma maior probabilidade de desenvolver transtornos alimentares no futuro.

Em resumo, o ARFID na infância pode aumentar o risco de desenvolvimento de transtornos alimentares no futuro. É importante que os pais e cuidadores estejam cientes dos sinais e sintomas e procurem ajuda profissional se houver preocupações com a alimentação da criança. O tratamento precoce pode ajudar a prevenir problemas de saúde física e mental no futuro.

Dr. Mauro Fisberg

Dr. Mauro Fisberg

Pediatra e Nutrólogo. Coordena o Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares (CENDA) do Instituto Pensi. Membro do corpo de orientadores em Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria da UNIFESP.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.