PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O que impede a maioria das crianças de ficar com a Covid-19?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O que impede a maioria das crianças de ficar com a Covid-19?

O que impede a maioria das crianças de ficar com a Covid-19?

26/08/2020
  1263   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A apenas algumas semanas de alguma esperança pelo retorno à escola em outubro, muitos paulistanos estão procurando descobertas e orientações de pesquisa – algumas das quais sugerem que as crianças têm menos probabilidade de obter, espalhar ou sofrer com a Covid-19 – e recalibrar as precauções.

Então, quão rigorosos os pais devem ser? Os bebês e as crianças em seus primeiros anos da escola primária são mais capazes de combater infecções por coronavírus, em comparação com os adultos? Tudo bem se eles não usarem máscaras ou distanciamento social?

Especialistas ainda dizem que se as famílias moram em um local quente ou se um membro da família está vulnerável a um caso grave de Covid-19, as crianças devem permanecer tão dedicadas como sempre às rotinas de desinfecção, distanciando-se das pessoas fora de casa, usando máscara e lavando as mãos ainda mais do que antes da pandemia.

Fora dessas situações, os pais podem relaxar pelo menos uma das medidas mais rigorosas e desafiadoras que tomaram no início deste ano – sem aumentar significativamente o risco: eles não precisam mais isolar completamente seus filhos pequenos. Orientações semelhantes estão implícitas nas diretrizes de reabertura para escolas divulgadas no final de junho pela Academia Americana de Pediatria, ou AAP, que defende “ter alunos fisicamente presentes na escola”.

Especialistas que estudam e tratam crianças com coronavírus permanecem cautelosos, mas afirmam ter visto sinais positivos em meio a dados limitados sobre como as crianças capturam e espalham o novo coronavírus. As diretrizes da Academia Americana de Pediatria para reabrir escolas declararam que as crianças “podem ter menos probabilidade de se infectar” com o coronavírus e espalhar essa infecção.

Embora sejam notícias bem-vindas para os pais, as reportagens governamentais e da mídia levantaram preocupações sobre a precisão dos dados sobre infecções e mortes de adultos e para crianças. É provável que haja subnotificação porque os testes podem ser difíceis de obter, os resultados supostamente estão atrasados ​​e as práticas de coleta e geração de dados dos estados diferem. Sem testes generalizados e amostras grandes e aleatórias de crianças, pesquisadores e médicos não confiam no número real de crianças que pegam o coronavírus.

Na Islândia, uma equipe de pesquisadores testou 6% da população do país quanto ao coronavírus. Das mais de 848 crianças que responderam a um convite para participar de uma parte do estudo, a equipe não encontrou infecções por coronavírus em crianças menores de 10 anos de idade, mesmo com escolas primárias e creches abertas na época. As crianças eram menos vulneráveis ​​ao vírus ou nunca foram expostas a ele, escreveram os autores.

Outra maneira dos pesquisadores avaliarem se as crianças eram menos propensas a pegar o coronavírus era rastrear infecções em domicílios nos quais pelo menos uma pessoa havia testado positivo. Dois estudos na China descobriram que as crianças eram menos propensas que os adultos a pegar o vírus de uma pessoa infectada que vive com elas. Um terceiro estudo não mostrou diferença.

Não está claro se as crianças espalham o coronavírus com outras crianças e adultos, de acordo com um punhado de estudos. Um estudo recente da Coréia do Sul descobriu que, diferentemente do caso de crianças menores de 10 anos, as crianças mais velhas transmitem o vírus, assim como os adultos.

Para iniciantes, em vez de proibir as crianças de brincarem juntas e eliminar todos os riscos sociais, as diretrizes de reabertura das escolas da AAP se concentram na redução de riscos e afirmam que brincar ao ar livre é mais seguro do que brincar dentro de casa.

Por fim, os pais devem avaliar seu limiar de risco quando se trata de interações das crianças com os outros. E esse mesmo conselho se aplica à creche, acampamento de verão ou escola no outono. Os pais devem considerar as demandas de seu trabalho, se algum membro da família está em alto risco para Covid-19 grave, o status do surto nos planos de sua comunidade e os administradores para manter crianças e funcionários pelo menos em grupos fixos e distanciados. Além disso, procure políticas que exijam que crianças e funcionários sejam rastreados quanto a sintomas.

Por se tratar de uma doença nova com uma epidemiologia pouco conhecida e com muito conhecimento sendo produzido as opiniões parecem mudar frequentemente o que deixa a população sempre muito insegura em qual informação acreditar. E como fazer para tomar sua decisão em relação aos seus filhos?

De nossa parte, tanto o Instituto PENSI como o Sabará Hospital Infantil procuram trazer as melhores informações baseadas nas decisões de nossos governantes, de nossa sociedade de pediatria e das fontes científicas que julgamos mais confiáveis para que nossos leitores possam construir o melhor cenário para sua família e assim tomar a melhor decisão no seu caso específico.

Saiba mais sobre o assunto:

What Is It That Keeps Most Little Kids From Getting Covid-19?

O que de bom esta pandemia pode trazer ao desenvolvimento das crianças?

Dicas para uso dos restaurantes após a reabertura

Junho púrpura: distúrbios de aprendizagem escolar

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade