PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O suicídio entre crianças e jovens está aumentando: o que você deve saber sobre isso
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O suicídio entre crianças e jovens está aumentando: o que você deve saber sobre isso

O suicídio entre crianças e jovens está aumentando: o que você deve saber sobre isso

07/02/2024
  714   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O tema está na programação da TV, nas séries e nos filmes, assim como nas redes sociais e precisamos falar cada vez mais sobre o assunto. Na Coreia do Sul, o suicídio é a principal causa de morte entre pessoas com 10 até os 39 anos. Mais de duas em cada cinco mortes (43,7%) entre adolescentes no país são por suicídio. Já no Japão, de acordo com dados do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-estar, em 2022 mais de 500 estudantes dos ensinos fundamental e médio cometeram suicídio.

Segundo o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, com dados até 2021, a taxa de suicídios cresceu 49% entre adolescentes de 15 a 19 anos entre 2016 e 2021, chegando a 6,6 óbitos por 100 mil habitantes. Já entre aqueles de 10 a 14 anos, embora a taxa seja menor (1,33), a alta foi igualmente preocupante (45%).

Dados divulgados pelo jornal O Estado de São Paulo, obtidos no portal Datasus, mostram que 1.299 crianças e adolescentes tiraram a própria vida em 2021, o maior número desde 1996. Em 2022, foram 1.194 óbitos por suicídio nessa faixa etária, segundo dados preliminares divulgados pelo governo federal.

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em 2023, houve 16.262 registros de suicídio no Brasil no ano de 2022. Dessa forma, tivemos 8 suicídios por 100 mil habitantes, uma elevação de 11,8% em relação a 2021, que registrou 7,2 casos por 100 mil habitantes. A grande preocupação é que os índices de suicídio seguem uma tendência de crescimento desde 2010. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa o 8º lugar entre os países com os maiores índices de suicídio.

Há muitos anos venho escrevendo sobre esse tema. Só nesse Blog temos cerca de 50 artigos que citam o suicídio entre jovens e dez que tratam especificamente do assunto. Nos últimos tempos, a saúde mental das crianças e dos jovens vem sendo abalada e, entre as causadas citadas pelos especialistas, estão o isolamento na pandemia, violência e negligência – em especial no ambiente familiar, incluindo o excesso de permissividade, o empobrecimento da relação dos jovens com pais e cuidadores e o uso excessivo da internet e das redes sociais.

O suicídio entre jovens é um problema de saúde pública em todo o mundo e não é multifatorial, segundo os estudiosos do assunto. Além das mudanças e conflitos que costumam ocorrer nessa fase da vida, os jovens enfrentam cobranças e vivem o isolamento causado pelo uso excessivo das tecnologias.

Uma das pessoas com quem conversei no Japão, me disse que os jovens de lá evitam relacionamentos, pois não sabem lidar com conflitos. Eles estão tão acostumados a viverem em um mundo virtual de jogos e ficção (onde quando ocorre um problema você deleta), que desaprenderam a encontrar uma solução e acabam se isolando. Esses fatores podem levar a ideação suicida entre crianças e adolescentes, e isso fez com que aumentasse o número de atendimentos nos hospitais de casos de automutilação e de tentativa de suicídio, cujos dados são citados acima. Os novos vídeos do canal Saúde da Infância no YouTube, que tratam de problemas mentais como ansiedade, são campeões de visualizações.

Transtornos mentais como depressão e ansiedade, que podem ser causados por questões bioquímicas e hereditárias, além de fatores ambientais, também aumentam o risco de suicídio. Por isso, se a criança ou o adolescente manifestar sintomas compatíveis com esses quadros, deve ser levado(a) para avaliação médica ou psicológica e receber tratamento adequado, que geralmente inclui psicoterapia e medicações.

A grande dica é conversar com seus filhos sobre todos os assuntos, mas não só no momento de conflito, diz a Dra. Cristina Borsari, psicóloga do Sabará Hospital Infantil, que teve alta de 40% nos atendimentos de tentativa de suicídio no biênio 2021/2022 em comparação a 2019/2020. Segundo a reportagem do Estadão, o mesmo ocorre no Hospital Pequeno Príncipe, localizado em Curitiba e referência de pediatria no local.

Esse fenômeno fez com que adotássemos um protocolo de prevenção de suicídio para todos os pacientes internados a partir dos dez anos, independentemente do motivo da internação. Para a nova unidade que estamos construindo, na Avenida Rebouças, também há previsão de leitos específicos para internação envolvendo casos de saúde mental, coisa impensável há alguns anos, quando os casos de internação de crianças e jovens com esse tipo de transtorno eram muito raros.

Vivemos em uma sociedade extremamente tecnológica, que tem grande carga de informação e é muito competitiva. Estes jovens são cobrados para terem atitudes de alta performance em diferentes áreas da vida: seja pela sua família, pela sociedade ou por eles próprios. Isso traz consequências emocionais que fazem com que o jovem entre em crise e conviva com as duas maiores doenças incapacitantes do mundo: a depressão e a ansiedade.

As situações que faziam com que os jovens se sentissem deslocados da sociedade, como o bullying, também passaram a tomar proporções maiores. Antigamente, o bullying era presencial. Hoje em dia, existe o cyberbullying, que tem divulgação imediata e “global”.

O isolamento é outro problema. Se você pega o metrô, as pessoas não se olham no vagão, porque estão imersas em seus celulares. Estamos perdendo a sensibilidade do contato, do toque, do olho no olho, de sermos humanos, uns juntos aos outros, algo que descaracteriza as relações humanas e fragiliza as relações.

Confira alguns sinais de alerta, segundo o Ministério da Saúde:

  • Depressão causa tristeza profunda e pessimismo, sentimentos que podem culminar em comportamentos suicidas. Os sinais mais frequentes são irritabilidade, ansiedade, angústia, desânimo, cansaço fácil e diminuição ou incapacidade de sentir alegria.
  • Há também outros comportamentos que devem ser observados: aumento de sentimentos de medo e baixa autoestima, dificuldade de concentração, diminuição ou aumento do apetite e do peso, raciocínio mais lento e episódios frequentes de esquecimento.
  • Surgimento de doenças.
  • Pessoas com depressão podem apresentar baixa no sistema de imunidade, problemas inflamatórios e infecciosos. Dependendo da gravidade, a depressão também pode desencadear doenças cardiovasculares, como infarto, acidente vascular cerebral (AVC) e hipertensão.

Segundo a OMS, 9 em cada 10 mortes por suicídio podem ser evitadas e a prevenção é fundamental. O assunto ainda é considerado tabu, mas é fundamental que em momentos difíceis as pessoas consigam pedir ajuda para familiares, amigos ou ao médico.

Fontes:

https://www.estadao.com.br/saude/suicidio-de-adolescentes-cresce-e-hospitais-tem-pacientes-cada-vez-mais-novos-como-notar-sinais/?utm_medium=newsletter&utm_source=salesforce&utm_campaign=saude-e-bem-estar&utm_term=20231214&utm_content=

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2023/07/30/numero-de-suicidios-cresce-no-brasil.htmhttps://www.bbc.com/portuguese/articles/c4n4gjxr0e3o

https://oglobo.globo.com/mundo/noticia/2023/03/suicidios-de-criancas-no-japao-atinge-maior-numero-da-historia-do-pais.ghtml

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/dez-coisas-que-os-pais-podem-fazer-para-evitar-o-suicidio/

https://institutopensi.org.br/escudo-emocional-projeto-auxilia-professores-a-identificar-e-ajudar-alunos-com-problemas-comportamentais/

https://institutopensi.org.br/saiba-um-pouco-mais-sobre-automutilacao-entre-criancas-e-jovens/

Vídeos:

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.