PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os riscos em torno das crianças com autismo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os riscos em torno das crianças com autismo

Os riscos em torno das crianças com autismo

09/01/2013
  3352   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Uma das doenças que mais preocupa o pediatra é o espectro autista, que parece aumentar no mundo e não é muito conhecido pelos pais e até mesmo pelos médicos. Curiosamente, os pais de crianças com Transtornos do Espectro Autista (TEA) relatam que, muitas vezes, os filhos se colocam em perigo por vaguear ou “fugir”. Pela primeira vez, um estudo determinou a frequência desses episódios de fuga nos pequenos e o impacto sobre eles e suas famílias.

O estudo Occurrence and Family Impact of Elopement in Children with Autism Spectrum Disorders, da revista Pediatrics, foi financiado por várias organizações de defesa ao autismo, liderado e conduzido pela Rede Autismo Interativo do Instituto Kennedy Krieger, nos EUA.

Pesquisadores entrevistaram 1.367 famílias com crianças entre as idades de 4 e 17 anos com diagnóstico de TEA. Quase metade (49%) das famílias relatou que o filho tinha tentado fugir pelo menos uma vez depois dos 4 anos de idade e muitas crianças desapareceram tempo suficiente para causar preocupação.

A severidade maior do autismo foi associada ao risco e aumento de fuga. Crianças fugiram, mais comumente, de casa, de uma loja ou da sala de aula. Quase metade dos pais afirmou que esse impasse teve foco na intenção de ir a algum lugar ou fazer algo, pois os filhos estavam confusos ou perdidos. Infelizmente, isso pode causar lesões por acidentes de trânsito ou afogamento, entre outras calamidades. Foi confirmada até a presença da polícia em mais de um terço dos casos.

Dos pais cujos filhos tinham fugido, 43% disseram que a questão impedia os membros da família de dormir com tranquilidade e 62% que as preocupações não permitiam que eles desfrutassem atividades fora de casa. Para 56%, a fuga era um dos comportamentos mais estressantes que tiveram que lidar como cuidadores de uma criança com TEA e metade não recebeu nenhuma orientação sobre como prevenir ou tratar esse comportamento.

Até que mais pesquisas possam ser realizadas para o desenvolvimento de intervenções que resolvam a fuga, os autores do estudo esperam que os resultados possam informar as famílias, médicos, educadores, policiais e socorristas a maneira de lidar com crianças e adolescentes autistas.

Leia também: Os perigos de vagar e fugir de crianças com autismo

Fonte: Occurrence and Family Impact of Elopement in Children with Autism Spectrum Disorders | Pediatrics

Atualizado em 15 de abril de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.