PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Prevenção é o melhor remédio também nos esportes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Prevenção é o melhor remédio também nos esportes

Prevenção é o melhor remédio também nos esportes

28/07/2012
  1832   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Com as Olimpíadas, nós do Blog Saúde Infantil, resolvemos publicar uma série de textos sobre esportes.

Nenhum esporte é 100% seguro. Mas há muito que os pais, jogadores e treinadores podem fazer para minimizar o risco de lesões em jovens atletas.

A frequência e o tipo de lesão irão variar de acordo com a natureza do esporte. Entre as atividades de contato, há risco de colisão. Por exemplo, o basquete e o futebol estão associados a uma maior probabilidade de lesões agudas como entorses, distensões, contusões, fraturas e luxações.

Os esportes de resistência podem ter menores taxas de lesão, porém a chance de prejuízos por sobrecarga é maior, tais como fraturas, tendinite e estresse ósseo.

A seguir estão algumas sugestões para minimizar lesões:

1. Certifique-se de que o jovem está competindo contra jogadores de tamanho e desenvolvimento comparáveis. Os jovens atletas podem ter a mesma idade, mas diferentes pesos, alturas e portes. Isso pode colocar a criança menos desenvolvida em desvantagem competitiva e, assim, colocar em risco a segurança dela, especialmente quando os jogadores de força e tamanho variados estão competindo em contato ou em esportes de colisão;

2. Incentivar jovens atletas a treinar. Condicionamento físico adequado pode ser o caminho para manter um jogador fora da lista de contundidos. Peça ao treinador do seu filho um regime de exercícios adequado;

3. Não usar excessivamente braços e pernas. Nos últimos anos, uma epidemia de dores em membros tem feito os pediatras restringirem o tempo de treinamento de crianças para no máximo 6 horas por semana e com períodos de descanso durante os treinos;

4. Os corredores podem prevenir lesões por atividade excessiva executando-a em terreno macio e plano, e alternando dias de corrida extenuante com treinos menos exigentes. Esses atletas devem aumentar gradualmente o treinamento até atingirem a meta. Tem sido sugerido que o aumento de mais de 20% por semana seja evitado;

5. Alongamento e aquecimento antes da prática esportiva podem ajudar a melhorar o desempenho e diminuir lesões. Para ganhar flexibilidade, eles também podem ser úteis pós-atividade. Antes ou depois do treino, os músculos devem estar aquecidos;

6. Deve-se beber água a cada 20 minutos para evitar a desidratação. A substituição inadequada de líquidos pode diminuir força muscular, resistência e aumentar o risco de lesões relacionadas ao calor. A água normal é geralmente suficiente para repor as perdas de fluido, mas os atletas podem estar inclinados a beber mais, se o fluido é aromatizado e contém glicose e eletrólitos;

7. Use o equipamento certo de maneira correta. Adolescentes frequentemente usam equipamento que não têm tamanho adequado para eles. Isso é válido para calçados (tênis) e roupas que devem ser adequadas ao esporte praticado, que sejam leves e facilitem a evaporação do suor;

8. Ao praticar ou jogar em clima quente, devem ser tomadas medidas para evitar o calor que induzem doenças, como cãibras, exaustão e insolação. Práticas esportivas e jogos podem ser realizados no período da manhã ou final da tarde, quando o calor é menos agressivo;

9. Em cidades poluídas como São Paulo, a atividade física deve ser evitada nos dias em que a umidade do ar está baixa (abaixo de 50%).

Leia também: Prevenção de lesões por treino excessivo em jovens atletas

Fonte: Caring for Your Teenager (Copyright © 2003 American Academy of Pediatrics)

Atualizado em 20 de março de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.